Portão é furtado em obra no Creas; licitação de conclusão deve sair nos próximos dias, segundo secretário

Secretário de Assistência Social e Habitação, Enivaldo Torres, confirma que ocorreu o crime e disse que a prefeitura irá repor o que foi furtado. Fotos recebidas pela Redação do Portal Agora Laguna mostram que o local está com condições precárias de higiene.
Foto: Colaboração/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,636 visualizações,  4 views today

Mais uma vez, a obra do Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas), do bairro Progresso, foi alvo da criminalidade. Desta vez, o portão da estrutura foi furtado, em ato que teria ocorrido na terça-feira, 29.

O secretário de Assistência Social e Habitação, Enivaldo Torres, confirma que ocorreu o crime e disse que a prefeitura irá repor o que foi furtado. Fotos recebidas pela Redação do Portal Agora Laguna mostram que o local está com condições precárias de higiene.

“Já estamos providenciando um novo portão. O bom é que nos próximos dias, será lançado edital de licitação para a conclusão da obra”, informa Torres. Ontem, em sessão na Câmara de Vereadores, foi aprovada a abertura de crédito suplementar no orçamento da secretaria para assegurar recursos para esse trabalho. A obra foi iniciada pelo governo estadual e a prefeitura assumiu a frente após o contrato entre o Estado e a construtora ter sido rescindido.

Ao todo, cerca 92% da obra está concluída e para ser terminada é necessário repor o que foi furtado ao longo de quase quatro anos. Conforme levantamento do Portal, de abril de 2018 a junho de 2020, a coletânea de objetos furtados era considerável: portas de madeira, tanque de lavar roupa, fios de energia, barra de cobre do ar-condicionado e os próprios equipamentos de refrigeração, fechadura de porta, vasos sanitários. No ano passado, os funcionários da construtora não ficaram imunes e tiveram ferramentas levadas em um caso de furto. Ao todo, ocupa uma área de 631 metros quadrados e já custou mais de R$ 414 mil aos cofres públicos.

Notícias relacionadas