Lote de vacinas suspensas pela Anvisa não veio para Laguna, diz secretária

Em Santa Catarina, apenas uma remessa desse lote foi identificada até o momento. Foram 2,1 mil doses, sendo que apenas uma pequena parte (293) tinha sido enviada às centrais de distribuição de Lages, Xanxerê e Chapecó. O restante estava armazenado na central estadual e não será mais repassada às cidades.
Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom-SC
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,684 visualizações,  16 views today

Laguna não recebeu vacinas do lote de imunizantes Coronavac (Sinovac/Butantan) suspenso pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no início do mês. A informação foi confirmada ao Portal Agora Laguna pela secretária de Saúde, Gabrielle Siqueira.

A Anvisa interditou, de forma cautelar, alguns lotes e proibiu a distribuição e uso de vacinas envasadas em local de fabricação não aprovado na autorização de uso emergencial, concedido à Coronavac em janeiro deste ano. Em Santa Catarina, apenas uma remessa desse lote foi identificada até o momento. Foram 2,1 mil doses, sendo que apenas uma pequena parte (293) tinha sido enviada às centrais de distribuição de Lages, Xanxerê e Chapecó. O restante estava armazenado na central estadual e não será mais repassada às cidades.

Em nota, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive-SC) explica que a “interdição cautelar é uma medida de precaução realizada pelos órgãos de vigilância sanitária, que visa proteger a saúde da população, quando são identificados indícios de irregularidade no processo de fabricação de um produto. No caso, a Anvisa não identificou nenhum relatório de inspeção emitido por outras autoridades de referência, o que se caracteriza como uma irregularidade que precisa ser solucionada, antes do produto ter sua utilização autorizada. A medida cautelar é um ato provisório, de caráter preventivo.”

Ainda segundo o texto, o Estado aguarda orientação pelo Ministério da Saúde (MS) sobre o protocolo a ser adotado em relação as pessoas que possivelmente tenham recebido doses dos lotes interditados.