Delegado regional explica migração temporária de plantão para Imbituba

Segundo Giordani, há tratativas para resolver a situação o mais rápido possível. Seus cálculos apontam que seria necessária a inclusão de seis a dez policiais na equipe para garantir o funcionamento efetivo da Central de Polícia, sem que houvesse prejuízo às outras atividades da corporação. 
Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,732 visualizações,  4 views today

Desde o final de julho, o plantão da Central de Polícia de Laguna é feito em Imbituba. Isso significa que qualquer ocorrência registrada fora do horário de expediente (das 8h às 19h) é lavrada na cidade vizinha. A medida também afeta Pescaria Brava e Imaruí. Segundo o delegado regional de Laguna, Raphael Giordani, a medida é temporária e foi tomada para equalizar a quantidade de policiais que a 18ª DRP possui à disposição da população.

“Há decisões que não gostaríamos de tomar, mas que temos de tomar. Essa foi uma decisão difícil e não muito confortável. O fato basicamente e nevrálgico da situação chama-se recursos humanos. A gente tem um histórico de defasagem na região”, argumenta o delegado. Um dos fatores que pesou na decisão é a prioridade da Polícia Civil em atender sua função-base, que é a investigação criminal. “Deixar de investigar a autoria de um crime em prol de um plantão 24 horas, a gente teve que sopesar o que seria mais importante para a atividade-fim”.

Segundo Giordani, há tratativas para resolver a situação o mais rápido possível. Seus cálculos apontam que seria necessária a inclusão de seis a dez policiais na equipe para garantir o funcionamento efetivo da Central de Polícia, sem que houvesse prejuízo às outras atividades da corporação.

O delegado reforça que a população não está desassistida, uma vez que há policiamento e patrulhamento preventivo da Guarda Municipal e Polícia Militar e existe a possibilidade de fazer o registro de boletins de ocorrência pela internet, com exceção de crimes graves. Essa prática vem sendo recomendado durante a pandemia do novo coronavírus – o serviço pode ser acessado aqui. “Penso que nos próximos meses vamos rever a situação, em razão de recebermos mais quadros de efetivo policial”.