Região de Laguna é classificada em nível amarelo pela primeira vez

Além de Laguna, as regiões de Criciúma (Carbonífera) e Araranguá (Extremo Sul) também foram classificadas como amarelo, bem como as regiões do Alto Uruguai Catarinense, Alto Vale do Itajaí, Meio Oeste e Serra Catarinense.
Divulgação/SES-SC
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 6,052 visualizações,  4 views today

Pela primeira vez, desde a criação da matriz de risco no segundo semestre de 2020, a região de Laguna, composta por 18 cidades, foi classificada como estando em nível amarelo (alto) para a proliferação do novo coronavírus. Esse é o melhor índice que as cidades alcançaram desde julho do ano passado.

Conforme a matriz, apenas o Nordeste e Foz do Rio Itajaí continuaram no nível máximo de atenção para o novo coronavírus. Já as regiões do Alto Vale do Rio do Peixe, Extremo Oeste, Grande Florianópolis, Médio Vale do Itajaí, Oeste, Planalto Norte e Xanxerê foram classificadas com o risco grave (laranja).

Além de Laguna, as regiões de Criciúma (Carbonífera) e Araranguá (Extremo Sul) também foram classificadas como amarelo, bem como as regiões do Alto Uruguai Catarinense, Alto Vale do Itajaí, Meio Oeste e Serra Catarinense.

“Há redução no número de óbitos e no quesito de capacidade de atenção, que avalia a ocupação em UTIs, conforme a vacinação é ampliada. Temos pouco mais de 20% da população vacinada com a segunda dose e à medida que avançamos na imunização, transformaremos essa mapa em um cenário mais confortável para a nossa população”, comenta a cientista de dados da Secretaria de Saúde, Bianca Vieira.

Entenda a avaliação

A matriz é atualizada conforme a avaliação de quatro grupos de prioridades:

  • Gravidade: se trata da variável de óbitos na semana por 100 mil habitantes, informação epidemiológica mais precisa. A dimensão traz também a tendência de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave para avaliação por 100 mil habitantes.
  • Transmissibilidade: é a taxa de transmissibilidade (Rt) agrupada com o número de infectantes por 100 mil habitantes.
  • Monitoramento: avalia as variáveis de cobertura vacinal em maiores de 18 anos com segunda dose ou dose única completa, bem como a variação de número de casos semanal.
  • Capacidade de Atenção: taxa de ocupação de leitos de UTIs Adulto SUS Reservado para Covid-19. A oferta de leitos de UTI Covid ponderada por 100 mil habitantes ainda não será considerada nesta versão da matriz.

Previous
Next