Orientar e fiscalizar: Diretoria de Portos e Costas (DPC) – Boletim de Acidentes Julgados no Tribunal Marítimo – Parte 1

Extratos dos Boletins de Acidentes julgados pelo colegiado de juízes  do Tribunal Marítimo, que visam levar ao conhecimento de toda a Comunidade Marítima, Náutica, Portuária e, em especial aquaviários e amadores, os acidentes e fatos da navegação que são julgados no decorrer do ano e por suas características, destaca-se a necessidade de divulgação, extraindo aqueles que advêm de acidentes mais graves ou de observada repetição que afetam diretamente a salvaguarda das vidas humanas e a segurança da navegação.
Editoria de arte/DelLaguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 8,782 visualizações,  12 views today

Extratos dos Boletins de Acidentes julgados pelo colegiado de juízes  do Tribunal Marítimo, que visam levar ao conhecimento de toda a Comunidade Marítima, Náutica, Portuária e, em especial aquaviários e amadores, os acidentes e fatos da navegação que são julgados no decorrer do ano e por suas características, destaca-se a necessidade de divulgação, extraindo aqueles que advêm de acidentes mais graves ou de observada repetição que afetam diretamente a salvaguarda das vidas humanas e a segurança da navegação.

Síntese da Ocorrência : O Fato da Navegação ocorreu no Lago do Trevisan, Cuiabá, envolvendo uma moto aquática, com condutor inabilitado e um passageiro, ambos sem o obrigatório colete salva-vidas. Ao se afastarem da margem em direção ao centro do lago, iniciaram uma manobra radical, ocasionando a queda dos dois ocupantes do veículo na água. O condutor conseguiu nadar até a margem, já a vítima, que não sabia nadar, após ficar se debatendo na água, veio a óbito por afogamento.

A imprudência e a negligência ficaram patentes na decisão de se navegar sem material de salvatagem a bordo, contrariando as Normas da Autoridade Marítima, além de não possuírem a habilitação, desta forma, agindo sem o devido cuidado que a situação exigia, e expondo a riscos desnecessários sua própria vida e a do passageiro, o que veio a consumar-se com a queda de ambos e com o óbito por afogamento do passageiro.

Ensinamentos colhidos:

1) Para empreender qualquer singradura, o condutor de uma embarcação deve ser habilitado e familiarizado com as regras de navegação contidas no Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar (RIPEAM) e Normas da Autoridade Marítima – (NORMAM – 3/DPC, CAPÍTULO 5), a qual prevê que, para conduzir moto aquática é necessário habilitação naquela categoria, sendo 18 anos a idade mínima para prestação do exame;

2) Falha ao facilitar uso de embarcação à pessoa não habilitada; e

3) Falha ou negligência do proprietário na vigilância da embarcação, possibilitando o uso indevido de sua embarcação.

Recomendações:

1) O condutor é o responsável por tudo e por todos a bordo. É, em princípio, o responsável legal pelas vidas humanas e cargas que transporta, não eximindo também, a responsabilidade do proprietário da embarcação em permitir a condução de pessoas inabilitadas;

2) As práticas de atividades com moto aquática, denominadas de esporte e recreio, exigem habilitação do condutor, além de habilidade para uma navegação segura, evitando assim acidentes e a salvaguarda dos banhistas locais (o proprietário responderá perante o Tribunal Marítimo e nas esferas civil e penal);

3) A chave de segurança deve ser amarrada ao pulso ou colete do condutor quando estiver pilotando. Lembre-se, após o uso, JAMAIS deixe a chave à vista de outras pessoas ou amarrada na moto aquática;

4) Sempre que o condutor terminar de utilizar a moto aquática, mesmo que seja uma breve parada, deverá ter o cuidado de retirar a chave da ignição da embarcação;

5) É importante lembrar a necessidade de respeitar as regras de navegação. Com isso, não se deve pilotar moto aquática a menos de 200 metros da praia em área destinada a banhistas, bem como empregá-la em área que não seja interior;

6) A navegação também é um hobby praticado por muitos, principalmente no período de verão, no entanto, é indispensável ter conhecimento sobre as principais recomendações para segurança da navegação e cumpri-las;

7) Evite o consumo de bebidas alcoólicas antes e durante a navegação acordo a NORMAM-03/DPC;

8) Conduza a sua embarcação com prudência, e em velocidade compatível para reagir, com segurança, às necessidades da navegação; e

9) Não faça manobras radicais e reduza a velocidade ao navegar em águas restritas.

SerenidadeAções preventivas, individuais e coletivas, para neutralizar os efeitos do vírus, evitando informações que não conduzam à solução.

FirmezaDecisões assertivas, mantendo a máxima capacidade operativa para cumprir a missão e atuar em prol da sociedade.

Atenção!!

Ao observar alguma situação que represente risco para a segurança da navegação, para a salvaguarda da vida humana no mar ou para a prevenção da poluição hídrica, procure a Capitania dos Portos, Delegacia ou Agência mais próxima de sua região clicando aqui.

Telefone emergencial da Marinha: 185

Pelo Ato nº 881, de 18 de fevereiro de 2008 da Anatel, foi autorizado o uso do Código de Acesso a Serviço Público de Emergência no formato “185”, para atendimento nos serviços prestados pela Marinha do Brasil, para atendimento da salvaguarda da vida humana no mar, com a designação de “Marinha – Emergências Marítimas e Fluviais”.

Contato:
Delegacia da Capitania dos Portos em Laguna.
Telefone: (48) 3644-0196
Email: [email protected]

Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Agora Laguna.

Útimas Notícias

Previous
Next