Imprensa catarinense chega aos 190 anos

Do pioneiro jornal, restam algumas edições preservadas no acervo da Biblioteca Nacional e da Biblioteca Pública do Estado de Santa Catarina. Seu fundador foi eternizado com busto em uma praça que leva seu nome, além de tê-lo emprestado para a primeira escola estadual em Laguna, que atualmente sedia o Colégio Militar da cidade juliana.
Arquivo

Há quase 200 anos, em um dia como este, era lançado o jornal O Catharinense. A pequena publicação com editoriais e notas, idealizada pelo militar lagunense Jerônimo Coelho, marcou o início da imprensa na então província de Santa Catarina. O Brasil ainda era império, não havia eletricidade, navios e cavalos eram as principais formas de transporte. O jornalismo tinha surgido para o brasileiro em 1808 e começava a chegar aos rincões do país.

“Já na primeira edição, uma verdadeira profissão de fé exemplar: ‘não me demorarei em enumerar-vos as vantagens que resultarão da liberdade de imprensa; só vos direis, que esta divina instituição, foi, é e sempre será uma barreira invencível onde se despedaçam as fúrias dos tiranos do Universo'”, lembrou a presidente da Associação Catarinense de Imprensa (ACI), em editorial divulgado nesta quarta-feira, 28, por ocasião da data.

Do pioneiro jornal, restam algumas edições preservadas no acervo da Biblioteca Nacional e da Biblioteca Pública do Estado de Santa Catarina. Seu fundador foi eternizado com busto em uma praça que leva seu nome, além de tê-lo emprestado para a primeira escola estadual em Laguna, que atualmente sedia o Colégio Militar da cidade juliana.

Atualmente, são mais de 130 jornais impressos circulando no estado, com pouco mais de 250 emissoras de rádio e quase 30 canais abertos de televisão, além de uma infinidade de portais de notícias gerais ou especializados.