Golpistas de Florianópolis são presos em flagrante por policiais de Laguna

Quadrilha estaria tentando legalizar documentos de veículos, através da falsificação de documentos públicos, uso de documentos oficiais fraudados e  se passando por terceiros inocentes, transferindo poderes para terceiros associados para poderem usar e dispor de bens que não lhe pertenciam.
Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 4,416 visualizações,  20 views today

Policiais civis de Laguna e Pescaria Brava, em ação conjunta na tarde de terça-feira, 15, prenderam um trio de golpistas de Florianópolis por falsificação de documentos.

A prisão foi dentro do tabelionato de notas e protestos de títulos, no bairro Progresso. A operação foi montada após a corporação ter recebido informações de que uma possível quadrilha estaria tentando legalizar documentos de veículos, através da falsificação de documentos públicos, uso de documentos oficiais fraudados e  se passando por terceiros inocentes, transferindo poderes para terceiros associados para poderem usar e dispor de bens que não lhe pertenciam.

A corporação informou que durante a investida policial, uma das investigadas, que tinha falsificado um documento público no estabelecimento, apresentou identidade falsa, querendo se passar por uma terceira pessoa. Após ser informada dos fatos, revelou sua identidade real e indicou os mandantes dos delitos, que a aguardavam em um veículo nas imediações do referido local.

Os policiais então fizeram a prisão em flagrante da mulher e dos dois homens que estavam do lado de fora do tabelionato. Um deles também tentou apresentar documentos falsos para se eximir da responsabilidade penal.

“Se trata de uma importante prisão em flagrante desenvolvida por policiais civis de Laguna e Pescaria Brava, que conseguiram inviabilizar os objetivos espúrios de uma possível associação criminosa voltada à falsificação de documentos públicos, que, a um só tempo, fraudavam documentos públicos e buscavam transferir poderes de determinados bens à pessoas que não possuíam qualquer vínculo com a relação jurídica anteriormente estabelecida”, declarou o delegado Bruno Fernandes.

Notícias relacionadas