Cadastro para receber auxílio emergencial catarinense abre nesta quinta

No programa, são contempladas famílias incluídas no Cadastro Único (CadÚnico) e do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e que não receberam nenhum auxílio do governo federal, além de pessoas desempregadas nos setores ligados à alimentação, alojamento, promoções, eventos e turismo. Além desses grupos, o governo catarinense inseriu as pessoas que trabalhavam no transporte coletivo e que perderam seus empregos.
Fotos: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 4,452 visualizações,  112 views today

Santa Catarina abre nesta quinta-feira, 10, o cadastro de profissionais que perderam o vínculo formal de emprego durante a pandemia. A relação faz parte do programa SC Mais Renda, uma versão catarinense do auxílio emergencial. Mais cedo, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) aprovou alterações no projeto, que prevê distribuir R$ 900 em três parcelas mensais de R$ 300 para a população.

A ideia é beneficiar principalmente os trabalhadores dos setores de alimentação, hospedagem, eventos, artes cênicas, turismo e transporte público, além de pessoas em situação de vulnerabilidade social. Esses grupos foram duramente afetados pela pandemia do novo coronavírus, já que houve restrições sanitárias à realização de eventos, por exemplo. O governo espera beneficiar 67 mil famílias. Para fazer o cadastro, clique aqui.

“O SC Mais Renda é o auxílio emergencial do Governo do Estado que vai trazer mais dignidade aos catarinenses que perderam renda durante a pandemia. Queremos agilizar o apoio financeiro às famílias e atender aqueles que mais precisam neste momento”, diz o governador Carlos Moisés (PSL).

No programa, são contempladas famílias incluídas no Cadastro Único (CadÚnico) e do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e que não receberam nenhum auxílio do governo federal, além de pessoas desempregadas nos setores ligados à alimentação, alojamento, promoções, eventos e turismo. Além desses grupos, o governo catarinense inseriu as pessoas que trabalhavam no transporte coletivo e que perderam seus empregos.

“O governo catarinense já disponibilizou linhas de crédito, programas de incentivo e outros subsídios para fortalecer a economia do Estado e, agora, está fazendo um aporte de R$ 60 milhões para atender essas pessoas que perderam os empregos e em situação de vulnerabilidade social”, complementa a secretária adjunta da SEF, Michele Roncalio.