Vídeo que mostra pescadores “perseguindo” surfista é brincadeira, explica morador do Farol

A brincadeira alerta para o fato de a Prainha do Farol ser restrita para surfe e para o acordo entre os homens do mar e os das pranchas, para que não haja a prática esportiva nas demais praias da região quando houver tainha avistada.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 14,600 visualizações,  4 views today

Gravado neste final de semana na Prainha do Farol, um vídeo que mostra pescadores correndo atrás de um surfista que diz que vai entrar na água não passa de uma brincadeira. As imagens foram compartilhadas em grupos de aplicativos de mensagem da região, e acabaram se espalhando pela rede e viralizando na cidade e também no estado.

O pescador Márcio Goulart, o popular Kart, nativo da ilha, é quem explica o contexto da “perseguição”. “A relação com surfistas do Farol nunca foi problema. Até o surfista da filmagem é um dos melhores que temos na comunidade e a primeira coisa que ele fez foi enviar o vídeo para os grupos de surfe dele e presidentes das associações. Não temos dificuldades nenhuma com surfistas”, revela.

A brincadeira alerta para o fato de a Prainha do Farol ser restrita para surfe e para o acordo entre os homens do mar e os das pranchas, para que não haja a prática esportiva nas demais praias da região quando houver tainha avistada.

De acordo Goulart, há um respeito mútuo entre ambas as partes e, inclusive, há surfistas que deixam a prancha de lado nessa época do ano e se arriscam no mar para pescar as tão desejadas e deliciosas tainhas. “Só vai ser proibido surfar nas praias do Farol se tiver cardume de peixe avistado e aí sim, vai ser pedido para eles não entrarem no mar naquele momento. Depois do cerco ou se o cardume for embora, aí vai ser liberado para eles. A única praia com restrição é a Prainha, mas o restante está liberado”.

A safra da tainha foi aberta oficialmente em 1º de maio e vai até julho. Inicialmente, vão para o mar os pescadores desembarcados; depois, a partir do dia 15, as canoas de arrasto; e, por fim, as embarcações industriais.

Notícias relacionadas