Servidores reclamam de falta de condições de trabalho na sede do IGP

Toda a situação já foi relatada à direção estadual do instituto e algumas conversas já foram iniciadas para resolver o problema. Uma das possibilidade em estudos é que o núcleo de Laguna seja transferido para um outro imóvel de forma temporária, enquanto o atual passa por reformas. A Câmara de Vereadores também foi informada dos problemas, através de uma explicação na tribuna feita pelo perito-responsável.
Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,964 visualizações,  4 views today

Servidores do Instituto Geral de Perícias (IGP) de Laguna têm feito o possível para trabalhar na atual sede do órgão, localizado próximo da entrada do Centro da cidade. A última reforma do imóvel foi há cerca de 15 anos e os problemas estruturais começaram a ficar aparentes e apresentando riscos à integridade física dos profissionais e dos usuários do núcleo.

Segundo o perito criminal responsável pelo núcleo, Humberto Riella, além da ausência mínima de conforto para os servidores e usuários do local, que vão desde policiais ao cidadão que vai lá fazer a identidade, o IGP trabalha receoso quanto à cobertura da edificação. “O prédio está apresentando problemas graves de infiltração de água. O telhado tem problemas na viga e as telhas têm tendência a cair. Na parte de trás do IGP, uma das vigas de sustentação está bem danificada em razão do tempo”, revela. Quando chove, há preocupação de que a infiltração danifique equipamentos elétricos ou favoreça acidentes com a eletricidade.

O prédio tem mais de 20 anos e já serviu como sede da Delegacia de Polícia Civil. “A gente não tem espaço para guardar com segurança os coletes balísticos e, eventualmente, algo que colhemos em uma cena de crime para analisarmos depois. Os exames de balística ou de eficiência de arma, não temos local ideal para fazer, a gente acaba tendo que testar em um cantinho nos fundos do IGP. Essas questões afetam, mas a gente se adapta e presta o serviço de qualquer forma, com um pouco mais de dificuldades”, detalha.

Toda a situação já foi relatada à direção estadual do instituto e algumas conversas já foram iniciadas para resolver o problema. Uma das possibilidade em estudos é que o núcleo de Laguna seja transferido para um outro imóvel de forma temporária, enquanto o atual passa por reformas. A Câmara de Vereadores também foi informada dos problemas, através de uma explicação na tribuna feita pelo perito-responsável.

“O apoio que buscamos na Câmara é no sentido de tentar um local provisório ou um apoio de forma geral para que a gente consiga um novo espaço de trabalho, sem necessidade de ter que sair de Laguna pela total incapacidade de trabalho do imóvel onde a gente se encontra. No momento atual, a situação não é nada boa e corre risco de o núcleo ser interditado pela falta de estrutura. Não é correto que a população que vai fazer sua identidade, tenha que se deslocar para uma outra cidade; mesma situação de exames corporais ou a própria necropsia”, frisa Riella.

Na câmara: IGP Laguna busca apoio. Foto: André Luiz/Agora Laguna

O que diz o IGP estadual

Ao Portal Agora Laguna, a direção do IGP-SC confirmou que tem ciência da situação da sede do núcleo de Laguna e informou que já tramita, na Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade (SIE), um processo com a solicitação de termo de referência para contratar projetos de reestruturação da unidade.

A Gerência de Projetos e Edificações do IGP-SC avaliou que o “imóvel necessita de reforma geral e adaptações para acessibilidade, registradas em Relatório de Visita Técnica”. Ainda segundo a assessoria, a situação de Laguna necessita de projetos, orçamentos e aprovações de diversos órgãos públicos, além do próprio instituto.

O órgão também informou que há uma demanda de reformas ou construções nas demais unidades do instituto no estado, o que dificulta o atendimento à solicitação de imediato. “Estamos abertos à contribuição da sociedade lagunense no que possa nos auxiliar nesta questão, para viabilizarmos a obra o mais rápido possível e melhorarmos as condições de trabalho dos servidores do IGP e a prestação de serviços à comunidade”, pontua o perito-geral do IGP-SC, Giovani Eduardo Adriano.