Gaivota vítima de maus-tratos, resgatada na região de Laguna, volta à natureza

“O procedimento cirúrgico foi bem delicado, pois causou uma fratura na asa e havia o risco de o animal não conseguir ser devolvido à natureza. A fratura foi estabilizada e a gaivota passou por um período de fisioterapia. Realizamos novos exames de radiografia e, felizmente, pudemos observar que houve recuperação total da fratura e o realinhamento da asa”, comenta a médica veterinária Marzia Antonelli, que realizou a cirurgia junto com o médico veterinário Sandro Sandri.
Foto: Nilson Coelho/R3 Animal

Uma gaivota resgatada pela equipe da Udesc, responsável pelo Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) na região de Laguna, foi devolvida à natureza após passar por processo de reabilitação. O resgate ocorreu em fevereiro e a devolução foi na tarde de quarta-feira, 28.

A ave passou por cirurgia para a remoção do projétil em uma das asas. “O procedimento cirúrgico foi bem delicado, pois causou uma fratura na asa e havia o risco de o animal não conseguir ser devolvido à natureza. A fratura foi estabilizada e a gaivota passou por um período de fisioterapia. Realizamos novos exames de radiografia e, felizmente, pudemos observar que houve recuperação total da fratura e o realinhamento da asa”, comenta a médica veterinária Marzia Antonelli, que realizou a cirurgia junto com o médico veterinário Sandro Sandri.

Depois da estabilização, ela foi encaminhada para o Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM), da Associação R3 Animal, em Florianópolis, no início do mês passado, onde exames complementares atestaram que ela estava apta para passar pela cirurgia para a retirada do ‘chumbinho’. Além da gaivota de Laguna, outras nove foram devolvidas à natureza.

Sobre o PMP-BS

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no polo pré-sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

Caso encontre algum animal marinho vivo ou morto, entre em contato com o projeto pelo telefone 0800-642-3341.

Notícias relacionadas