Universidade se posiciona sobre ida de deputado ao restaurante-escola e repudia ‘invasão de imóvel’

Udesc foi ouvida pela reportagem ainda na sexta e informou que está com os projetos para poder fazer a efetiva utilização da estrutura, mas que necessita de recursos para a execução das melhorias. O local foi construído entre 2009 e 2010, mas efetivamente inaugurado em 2016, porém, nunca entrou em funcionamento por uma série de falhas estruturais.
Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

A direção do Centro de Ensino da Região Sul (Ceres), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), emitiu uma nota sobre a ida do deputado estadual Bruno Souza (NOVO) ao prédio do restaurante-escola, cedido à instituição em 2017. O parlamentar esteve no local na tarde de sexta-feira, 27, e voltou ao imóvel na manhã deste sábado, 28. Segundo a universidade, Souza invadiu o imóvel, ato classificado como um “lamentável episódio”.

De acordo com o texto, na sexta-feira, o deputado teria pulado o portão do espaço e iniciado uma transmissão ao vivo em uma rede social, sendo abordados pelo vigilante. “O deputado informou ao vigilante que ele estava fiscalizando o local e disse que, por ser parlamentar, poderia entrar no prédio do restaurante-escola sem precisar de autorização. O funcionário da universidade não permitiu a entrada e pediu ao deputado que fizesse contato com a Direção-Geral da Udesc Laguna”, relata a nota da instituição.

“[Souza] Não tinha realizado contato oficial prévio à Udesc Laguna solicitando uma visita ao restaurante-escola. O primeiro contato da assessoria dele ao centro, assim como à Secretaria de Comunicação da Udesc, somente ocorreu no fim da manhã de sexta-feira, depois que ele já havia invadido o terreno e transmitido ao vivo e postado um vídeo sobre o restaurante-escola em uma rede social”, continua o texto.

A Udesc diz na nota que foi feito contato, posterior ao vídeo, com a diretora-geral em Laguna, Patrícia Sunyê, que se colocou à disposição para conversar com o parlamentar, ao longo da tarde e início da noite, mas recebeu como resposta que “que só poderia retornar dentro de algumas semanas”. A universidade relatou que o parlamentar do NOVO voltou ao restaurante-escola neste sábado. “Foi novamente ao terreno do restaurante-escola sem aviso prévio e não se identificou na portaria. Ele se dirigiu até a cerca lateral, mas sua entrada não foi permitida. Segundo o vigilante, o parlamentar agiu de forma mal-educada”.

Ontem, o Portal Agora Laguna conversou com o parlamentar que disse que sua visita à cidade fazia parte da iniciativa de fiscalizar o Estado. Além do restaurante-escola, Bruno Souza também esteve no sambódromo e no espaço escolhido para sediar um ginásio para a escola municipal Comandante Moreira, da comunidade de Campos Verde, região da ilha.

A Udesc foi ouvida pela reportagem ainda na sexta e informou que está com os projetos para poder fazer a efetiva utilização da estrutura, mas que necessita de recursos para a execução das melhorias. O local foi construído entre 2009 e 2010, mas efetivamente inaugurado em 2016, porém, nunca entrou em funcionamento por uma série de falhas estruturais. A informação já havia sido relatada no Portal e também foi inserida no contexto de esclarecimento da nota da universidade.

“Orçadas em R$ 270 mil, as adequações foram objeto de licitação em 2019, mas não foi possível iniciar a obra naquele ano. Em 2020, quando houve nova tentativa de começar os trabalhos, eles não puderam ser executados devido à pandemia de Covid-19. Desde março do ano passado, atividades de planejamento referente ao restaurante-escola têm ocorrido de forma remota”, informa a nota.

‘Invés de corrigirem erros, atacam quem expõe’, diz deputado

Portal buscou novamente a posição do deputado Bruno Souza (NOVO) após a divulgação da nota da universidade. O parlamentar diz que já está acostumado “com a reação” e que a “a Udesc de Laguna deveria era repudiar o desperdício de um restaurante escola feito há 10 anos e ainda não inaugurado”.

“Obviamente, quem escreveu a nota desconhece que aos deputados é franqueada a entrada em qualquer órgão público para que possam exercer sua prerrogativa de fiscalização. Já estou acostumado com a reação: toda vez que a sujeira é tirada de baixo do tapete e os erros são expostos, os responsáveis pela má administração respondem atacando. Ao invés de corrigirem os próprios erros, atacam quem os expõe. A Udesc de Laguna deveria era repudiar o desperdício de um restaurante escola feito há 10 anos e ainda não inaugurado! Mas, talvez seja muito esperar que eles repudiem esse desperdício de recursos públicos. Afinal, é o dinheiro dos outros, não o deles”, afirma.

Leia, na íntegra, a nota da direção do Ceres/Udesc

A Direção-Geral do Centro de Educação Superior da Região Sul (Ceres), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Laguna, vem a público manifestar seu repúdio à invasão que o deputado estadual Bruno Souza fez ao terreno do restaurante-escola da unidade, na Praia do Gi, e ao vídeo com informações equivocadas sobre o imóvel que o parlamentar transmitiu ao vivo e depois publicou em uma rede social.

O lamentável episódio causado pelo deputado estadual ocorreu da seguinte forma:

1) Às 10h30 desta sexta-feira, 26, Souza foi abordado pela vigilância da Udesc Laguna no restaurante-escola. Segundo o vigilante, o parlamentar e mais duas pessoas tinham invadido o terreno depois de pular o portão do imóvel e estavam finalizando uma transmissão ao vivo pelo celular ao lado do prédio do restaurante-escola.

O deputado informou ao vigilante que ele estava fiscalizando o local e disse que, por ser parlamentar, poderia entrar no prédio do restaurante-escola sem precisar de autorização. O funcionário da universidade não permitiu a entrada e pediu ao deputado que fizesse contato com a Direção-Geral da Udesc Laguna.

2) O deputado não tinha realizado contato oficial prévio à Udesc Laguna solicitando uma visita ao restaurante-escola. O primeiro contato da assessoria dele ao centro, assim como à Secretaria de Comunicação da Udesc, somente ocorreu no fim da manhã de sexta-feira, depois que ele já havia invadido o terreno e transmitido ao vivo e postado um vídeo sobre o restaurante-escola em uma rede social.

3) Quando houve o contato do deputado com a diretora-geral da Udesc Laguna, professora Patrícia Sunye, o parlamentar não informou a ela que já havia transmitido ao vivo e postado o vídeo em uma rede social e, na conversa, somente pediu informações sobre o imóvel.

4) Nesse contato, um encontro entre o deputado e a diretora-geral foi combinado para o início da tarde de sexta-feira, no restaurante-escola. Assim, a diretora-geral poderia mostrar as instalações internas do restaurante-escola e falar sobre os projetos da universidade para esse local. Souza, porém, não compareceu ao compromisso, alegando que estava em Tubarão e só conseguiria ir ao restaurante-escola novamente mais tarde.

5) A diretora-geral respondeu, então, que estaria à disposição ao longo de toda a tarde e do início da noite de sexta-feira para receber a visita do parlamentar, e ele, em nova mensagem, passou a dizer que só poderia retornar dentro de algumas semanas.

6) No entanto, neste sábado, 27, às 8h10, o deputado foi novamente ao terreno do restaurante-escola sem aviso prévio e não se identificou na portaria. Ele se dirigiu até a cerca lateral, mas sua entrada não foi permitida. Segundo o vigilante, o parlamentar agiu de forma mal-educada.

Esclarecimentos sobre o restaurante-escola

Ao contrário do que afirmou o deputado Bruno Souza no vídeo que transmitiu ao vivo e postou na sexta-feira, o prédio do restaurante-escola não está abandonado e também não ficará assim nos próximos anos.

Com área de quase 500 metros quadrados, o imóvel começou a ser construído pela Prefeitura de Laguna em 2009 e foi inaugurado no fim de 2016, com recursos municipais e federais, do Ministério do Turismo.

Em abril de 2017, o restaurante-escola foi cedido à Udesc Laguna para que a universidade realizasse projetos de pesquisa e oferecesse cursos de extensão em Gastronomia e Nutrição à comunidade, principalmente sobre peixes e frutos do mar, por meio do Departamento de Engenharia de Pesca e Ciências Biológicas.

A vistoria do Corpo de Bombeiros na época indicou uma série de adequações necessárias ao funcionamento do local. A Coordenadoria de Engenharia, Projetos e Obras da Udesc (Cepo) também fez uma avaliação e solicitou as plantas e os projetos complementares originais. Como a prefeitura não tinha esses documentos, a universidade precisou refazê-los e pedir nova autorização junto ao executivo municipal.

Com as plantas refeitas, os engenheiros da Udesc elaboraram um relatório que indicou 14 itens do restaurante-escola para adequação e foi apresentado à Prefeitura de Laguna e à câmara municipal.

Orçadas em R$ 270 mil, as adequações foram objeto de licitação em 2019, mas não foi possível iniciar a obra naquele ano. Em 2020, quando houve nova tentativa de começar os trabalhos, eles não puderam ser executados devido à pandemia de Covid-19. Desde março do ano passado, atividades de planejamento referente ao restaurante-escola têm ocorrido de forma remota.