Protesto de apoio a Bolsonaro tem pedido de intervenção militar, em Laguna

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,260 visualizações,  4 views today

Um grupo de pessoas empunhando bandeiras do Brasil protestou, na manhã deste domingo, 14, em frente à Capitania dos Portos, no Centro de Laguna, para demonstrar apoio ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) e pedir que haja intervenção militar no país, mas mantendo ele à frente do Executivo. O ato foi pacífico.

A manifestação ocorre quase uma semana após o ministro Edson Fachin anular as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT, 2003-2010) na Operação Lava Jato. Segundo uma das organizadoras, Nira Vieira, o protesto, além apoiar Bolsonaro, teve objetivo de expressar contrariedade ao fechamento do comércio e pedir a saída dos atuais ministros do STF.

“Vi que Laguna é muito acomodada; querem protestar, mas não querem sair para rua. Então resolvi movimentar para ver o que ia dar. Não há aglomeração e nem vai ter. Estamos fazendo tudo com organização, para não dar problema. Não há jovens para fazer barulho. Não queremos incomodar, queremos fazer algo para o bem do Brasil”, disse a organizadora. A convocação foi feita através de grupos de aplicativos de mensagem como WhatsApp ligados à direita.

Pouco mais de 20 pessoas atenderam ao protesto e participaram do ato. Alguns motoristas que passavam pelo local buzinavam em sinal de apoio. “Mas não pode só buzinar, tem que descer e manifestar. Queremos é uma resposta. Somos contra o STF, contra essa raça que que quer nos manipular. O povo precisa trabalhar, não vamos ficar submisso. Queremos o progresso no nosso país e não o regresso. Somos cidadãos brasileiros e pagamos nossos impostos”, afirma uma das manifestantes Marilanda Corrêa.

Ações semelhantes ocorreram em outras cidades do Sul, como Araranguá e Tubarão. Já em Laguna, essa foi a terceira vez que um protesto do gênero é convocado com a mesma bandeira e local de realização, mas é o primeiro que se concretiza – duas oportunidades entre 2019 e 2020, não atraíram manifestantes.