Orientar e Fiscalizar: Diretoria de Portos e Costas (DPC) – Orientações de conduta ética para os Profissionais da Marinha Mercante (Parte 2)

Orientações que visam, prioritariamente, a contribuir na preparação dos futuros Profissionais do Mar nos diversos cursos de formação e, também, retratam o que a Autoridade Marítima Brasileira (AMB) espera dos Aquaviários.
Editoria de arte/DelLaguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 16,068 visualizações,  132 views today

Orientações que visam, prioritariamente, a contribuir na preparação dos futuros Profissionais do Mar nos diversos cursos de formação e, também, retratam o que a Autoridade Marítima Brasileira (AMB) espera dos Aquaviários.

Esta publicação está disponível no site da Diretoria de Portos e Costas (https://www.marinha.mil.br/dpc/etica-na-marinha-mercante), para que o profissional mercante (aquaviário) possa ter acesso sempre que for necessário.

Objetivos

Os preceitos da conduta ética do profissional Aquaviário têm por objetivos:

  1. a) enunciar os fundamentos éticos e as condutas necessárias à boa prática do exercício da profissão aquaviária em torno das condições de convivência e os relacionamentos que se desenvolvem entre as categorias integrantes do sistema profissional;
  2. b) relacionar direitos e deveres correlatos de seus profissionais, quaisquer que sejam seus níveis de formação ou categorias;
  3. c) orientar para proporcionar a padronização da conduta profissional e moral de todos os profissionais Aquaviários; e
  4. d) estimular as boas práticas do convívio profissional com relação à diversidade de costumes. Para atingir esses objetivos, a busca por uma padronização da conduta ética profissional determina que cada um dos profissionais Aquaviários conduza suas atividades seguindo os princípios da ética, parte da filosofia que se preocupa com a evolução da humanidade. Além disso, busca-se renovação diária da capacidade de alinhar os princípios profissionais em convergência com os princípios legais e morais que regem a vida da sociedade. Esse é o eixo norteador para a elaboração de fundamentos para os deveres, direitos e normas morais a serem aplicados nas diversas categorias profissionais, não podendo ser diferente em relação à ética para o profissional Aquaviário.

Serenidade: Ações preventivas, individuais e coletivas, para neutralizar os efeitos do vírus, evitando informações que não conduzam à solução.

Firmeza: Decisões assertivas, mantendo a máxima capacidade operativa para cumprir a missão e atuar em prol da sociedade.

Orientações que visam, prioritariamente, a contribuir na preparação dos futuros Profissionais do Mar nos diversos cursos de formação e, também, retratam o que a Autoridade Marítima Brasileira (AMB) espera dos Aquaviários.

Esta publicação está disponível no site da Diretoria de Portos e Costas (https://www.marinha.mil.br/dpc/etica-na-marinha-mercante), para que o profissional mercante (Aquaviário) possa ter acesso sempre que for necessário.

Atenção!!

Ao observar alguma situação que represente risco para a segurança da navegação, para a salvaguarda da vida humana no mar ou para a prevenção da poluição hídrica, procure a Capitania dos Portos, Delegacia ou Agência mais próxima de sua região clicando aqui.

Telefone emergencial da Marinha: 185

Pelo Ato nº 881, de 18 de fevereiro de 2008 da Anatel, foi autorizado o uso do Código de Acesso a Serviço Público de Emergência no formato “185”, para atendimento nos serviços prestados pela Marinha do Brasil, para atendimento da salvaguarda da vida humana no mar, com a designação de “Marinha – Emergências Marítimas e Fluviais”.

Contato:
Delegacia da Capitania dos Portos em Laguna.
Telefone: (48) 3644-0196
Email: [email protected]

Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Agora Laguna.

Previous
Next

Útimas Notícias

Previous
Next