Hospital adapta procedimentos com escassez de medicamentos do kit intubação

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 496 visualizações,  4 views today

O Hospital de Caridade Senhor Bom Jesus dos Passos, de Laguna, enfrenta uma dura realidade comum às unidades de saúde diante de uma pandemia: a escassez de medicamentos necessários para intubação de pacientes.

Reforçar o chamado “kit intubação” foi citado pelo secretário estadual de Saúde, André Motta Ribeiro, como uma das medidas que os municípios teriam de fazer frente ao avanço crítico da pandemia em Santa Catarina. Em janeiro, mais de 900 mil itens desse conjunto de medicamentos foram cedidos pelo governo estadual para as unidades hospitalares, incluindo Laguna.

Gabriel Scalon, diretor-técnico do hospital, confirma que há falta de unidades de bloqueadores bronco-pulmonares, um dos medicamentos do kit que é usado na sedação do paciente internado no leito de terapia intensiva.

Porém, ressalta que não procede a informação de que a unidade estaria negando o uso desses bloqueadores, apenas não está disponível no momento para o setor de UTI. “Numa medida emergencial tive de separar uma parte desses bloqueadores para deixar para o centro cirúrgico, pois se tiver alguma cirurgia de emergência não terei como fazer esse procedimento”, explica.

De acordo com Scalon, como alternativa, o hospital tem utilizado outros medicamentos do “kit intubação” que têm efeito semelhante. “Não é o ideal, mas é o possível e o que todos os hospitais estão fazendo nesse momento: usando outras medicações, seguindo outros protocolos para manter o paciente sedado”, justifica.

O Hospital  Senhor Bom Jesus dos Passos providenciou a compra dos bloqueadores com previsão de chegada nos próximos dias, todavia com a ciência de que os medicamentos poderão faltar novamente adiante, devido à aplicação dos sedativos em pacientes internados no setor de terapia intensiva.

“Não é falta de dinheiro no hospital, não é falta de organização é porque no mercado não tem. Assim como em outros momentos o próprio Estado forneceu para a gente”, pontua o diretor-técnico.

No último boletim divulgado na sexta-feira, 26, o hospital de Laguna está com dez pacientes internados na UTI, ou seja, ocupação máxima. A casa hospitalar não divulgou novos números, mas no mapa estadual divulgado no fim da noite de domingo, 28, a taxa de lotação seguiu inalterada.

Após a publicação da matéria, a direção do hospital emitiu uma nota de esclarecimento sobre o assunto. Leia:

O Hospital de Caridade Senhor Bom Jesus dos Passos vem a público prestar esclarecimentos a respeito da mensagem que está sendo veiculada no WhatsApp em relação a suposta falta de medicamentos para o tratamento de pacientes com Covid-19 nesta casa de saúde.

Esclarecemos que, os medicamento que estão em falta fazem parte dos bloqueadores neuromusculares (BNM), tais como Rocurônio, Atracúrio e Pancurônio, utilizados para sedação. A falta deste medicamento não ocorre somente no Hospital de Laguna, mas sim de modo geral. Deixando esclarecido que, a situação não acontece devido à falta de recursos, tampouco, desorganização administrativa e sim à carência de insumos no mercado. A compra desse e demais medicamentos foram realizadas e devem chegar nos próximos dias.

Prezando por todos os cuidados, foi solicitado empréstimo de medicamentos aos hospitais da região, mas os mesmos alegaram que também não tem disponível. Entretanto, existem outras medicações utilizadas para efeito sedativo no momento e que não prejudicam o tratamento.

Em resposta, ao contrário do que relata a notícia, nenhum paciente veio a óbito por falta de medicamentos. A Unidade de Terapia Intensiva (UTI), assim como os leitos disponíveis na Enfermaria, estão com sua capacidade máxima, mas nenhum paciente está internado em local inadequado.

Diante dessa gravíssima situação, o HCSBJP manifesta, mais uma vez, a imensa preocupação com o avanço da pandemia na região, alerta toda a população para tomarem os cuidados necessários e lamenta a propagação de notícias falsas neste momento difícil.

Notícias relacionadas