‘Fui a primeira pessoa diagnosticada com Covid em Laguna, e, infelizmente, não fui a última’

"Sigo todas as recomendações de segurança, mesmo tendo sido contaminada, muito pouco se sabe sobre a imunidade daqueles que se contaminaram, por isso mantemos as medidas sanitárias". E diz, esperançosa: "Torço que a vacina chegue rapidamente a um grupo maior de pessoas, e que ninguém mais precise passar pelo que passamos – ou coisa pior".
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Tudo começou em uma festa de aniversário. Uma pessoa infectada, espalhou para outra, que passou para uma terceira e assim, sucessivamente. O início do novo coronavírus na região da Amurel foi naquela confraternização de amigos, que terminou com vários casos confirmados – e alguns, infelizmente, fatais.

Isabel Cristina Inácio, 55 anos, estava entre as convidadas para a confraternização. A moradora do bairro Magalhães ficou na mesma mesa em que estavam duas mulheres, que apresentaram sintomas e testaram positivo dias depois da festa. Três dias depois daquele que era para ser mais um momento de alegria e diversão, os primeiros sinais da contaminação começaram a surgir.

Quando o município abriu o centro de triagem, ainda no bairro Progresso, ela foi a primeira pessoa a buscar atendimento e fazer a coleta de exame. Laudos que atestavam a infecção ou não eram produzidos somente por meio da coleta swab (RT-PCR), uma vez que o teste rápido ainda era visto com incredulidade e nem era oferecido na rede básica.

Isabel fez a coleta e o suspense pelo resultado levaram ao surgimento de muitos boatos sobre si. Foi só em 23 de março, pouco mais de cinco dias do envio das amostras para o Laboratório Central (Lacen) que chegou a confirmação: a moradora do Magalhães era, oficialmente, a primeira paciente com coronavírus da cidade juliana.

“Um ano atrás, quando contrai Covid em uma festa de aniversário, muito pouco se sabia sobre a doença, sobre sua letalidade, capacidade de transmissão e cura. Sofri muito preconceito, porque a desinformação fez com que as pessoas disseminassem histórias inverídicas, que atacaram, inclusive meus familiares”, recorda a lagunense, em depoimento enviado à reportagem do Portal Agora Laguna.

Em casa, isolada do mundo exterior, Isabel teve na família o pilar de sustentação necessário para que atravessasse essa experiência. “O tempo foi o grande remédio, e o grande fator de elucidação da doença, hoje sabemos que o que passei foi apenas um preludio do que viria, o medo que a população sentia naquele momento da minha contaminação foi passando e com isso o vírus foi disseminando, ficando mais forte, e atingiu muitos amigos aqui de Laguna, levando a óbito, inclusive”, observa.

Um ano

Atualmente, um ano depois, Laguna atravessa o momento mais crítico do seu sistema de saúde dos últimos cem anos. A cidade perdeu 30 moradores só em março e viu uma explosão no número de pacientes com diagnósticos positivos e aqueles que são suspeitos, isto é, que aguardam pelo resultado.

A terra de Anita Garibaldi perdeu nomes de sua cultura, como Glorinha Pegorara e Jairo Baião. Do empresariado, como Jucíria (Jô) May. Do esporte, como Admar Cardoso, o Zico, técnico que profissionalizou o amador. Da política, como Luiz Felipe Remor. Ou nomes nem tão conhecidos do grande público, mas que tinham papéis importantes na sociedade, como a servidora pública Ilze Maria, o alegre Jorge Lima, a simpática dona Nair. E pôs fim a histórias tão românticas, como a do seo Tinho e a dona Norma, casados por mais de meio século e que sempre reuniam a família em torno de si para celebrar a felicidade em viver.

São mais de 82 despedidas sem abraço, depressa e de um jeito tão abrupto quanto à avassaladora onda de contaminação que se quebra sobre o mapa de Santa Catarina, endossada com a variante brasileira, tão feroz como a Covid-19, sua gênese.

Por outro lado, é preciso destacar que em meio a esse cenário trágico, muitos souberam se reinventar. Alguns fizeram máscaras, outros produziram lives, as religiões foram para a web, a solidariedade falou muito alto e deu até para produzir música.

Mas, mesmo assim, é preciso continuar se cuidando e Isabel Cristina Inácio ressalta: “Sigo todas as recomendações de segurança, mesmo tendo sido contaminada, muito pouco se sabe sobre a imunidade daqueles que se contaminaram, por isso mantemos as medidas sanitárias”. E diz, esperançosa: “Torço que a vacina chegue rapidamente a um grupo maior de pessoas, e que ninguém mais precise passar pelo que passamos – ou coisa pior”.

Notícias relacionadas

Previous
Next