Chefe de gabinete faz BO contra assessor após ameaças na prefeitura de Laguna

Editoria de arte
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,244 visualizações,  8 views today

Uma discussão na prefeitura de Laguna na noite de quinta-feira, 4, terminou na exoneração de um assessor de vereador efetivada nesta sexta-feira, 5. A situação aconteceu na sala do chefe de gabinete.

De acordo com as informações contidas na ocorrência registrada na Polícia Civil, o agora ex-assessor José Camilo Pereira ingressou na sala do chefe de gabinete Mário Bongiolo e o ameaçou após saber que um indicado para ser secretário adjunto não seria nomeado.

“Respondi falando que não tinha medo, pois não fiz nada de errado, e o mesmo continuou fazendo ameaças. Falei novamente que não tinha medo dele nem de suas ameaças, pois tenho a consciência limpa e tranquila, e não tenho o que temer. [Foi] quando o mesmo falou: “Olha aqui então! E tirou uma pistola prateada da cintura/calça”, narrou Bongiolo no boletim de ocorrência. Agora Laguna teve acesso ao documento.

Além do chefe de gabinete, estava na sala seu assessor e o pai do vereador Gustavo Cypriano dos Santos (PSL), que chegou ao local acompanhado de Pereira, cerca de uma hora depois. O político ajudou a apartar a situação. A Guarda Municipal foi acionada, mas quando os agentes chegaram o ex-assessor parlamentar havia saído do local.

Bongiolo diz no boletim que se sente ameaçado. “A verdade vai ser apurada, as ameaças não são de hoje e temos prova disso”, afirmou em entrevista ao Portal, via aplicativo de mensagem.

José Camilo Pereira foi exonerado nesta sexta-feira, 5, em ato do presidente do Legislativo, vereador Rhoomening Rodrigues (PSDB), comunicado por meio de um memorando interno a Santos. A exoneração é justificada pela infração de dispositivos legais do Estatuto do Servidor.

“[Ele] se dirigiu até o gabinete do prefeito municipal e com arma de fogo ameaçou o chefe de gabinete, exigindo situações que não condizem com a realidade do legislativo municipal. Nesse sentido, não podemos admitir este tipo de conduta por parte dos servidores da Câmara Municipal, que além de infringir tipos penais previstos, contrariam toda ética e moral na administração pública”, explicou Rodrigues, no memorando que o Portal também teve acesso.

No documento, o presidente da Câmara pede que Santos indique um novo assessor. O vereador não foi localizado, até a última atualização, pela reportagem. Se houver posicionamento, a manifestação será incluída no texto.

Contraponto

José Camilo Pereira também foi ouvido pela reportagem. Por telefone, informou que já buscou advogado e que irá buscar meios legais para voltar a exercer suas funções como assessor parlamentar na Câmara de Vereadores.

“Isso é uma grande mentira para se sair de vítima em uma discussão”, disse em contato com o Portal via telefone. Também afirmou não possuir autorização de porte ou posse de arma e que o boletim de ocorrência só traz a versão de Bongiolo.

Pereira informou que irá registrar um BO por calúnia e difamação.