‘Assumo a responsabilidade’, afirma secretária após críticas em ‘drive-thru’

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 856 visualizações,  4 views today

Filas quilométricas nas primeiras horas da manhã deste sábado, 13, anunciavam que o drive-thru montado pela prefeitura de Laguna já dava sinais de que não atenderia todo mundo. Ainda na noite de sexta-feira, 12, Agora Laguna mostrou que carros já estavam estacionados para garantir a vacina. O congestionamento chegou a alcançar as avenidas principais do Mar Grosso.

Muitos tiveram de dar meia volta e retornar para suas casas sem conseguir se imunizar. É o caso de Paulo Roberto Moreira, 79 anos, que foi dirigindo o próprio automóvel para a fila de vacinação, acompanhado da esposa Marlene, que completa 76 anos hoje. O carro que estava a frente do casal do Mar Grosso foi o último a ser contemplado com a dose da vacina e eles, por consequência, ficaram sem.

“Por que deixaram o pessoal estacionar de madrugada? Estou irritado com isso. Se soubesse tinha vindo de madrugada”, disse ele. “Meu presente de aniversário foi ficar quatro horas na fila”, lamentou a senhora.

Por outro lado, quem conseguiu se vacinar celebrou a conquista. “Estou ansioso. [Depois que passar] vou agradecer a Deus por não ter sido atingido pelo coronavírus”, falou Roberto Wendhausen, de “quase” 78 anos. “Vou agradecer a Deus e que essa vacina chegue ao mundo todo”, disse Vanda Pacheco, 77 anos. Ao todo, 380 idosos conseguiram receber a dose – entre eles o radialista João Batista Cruz, que completou 75 anos em fevereiro.

A prefeitura montou o drive-thru baseada nas experiências anteriores, mas admite que houve busca maior que o esperado. Há uma semana, às 10h30, não havia filas e tinha doses para serem aplicadas. Neste sábado, no mesmo horário, foram encerrados os trabalhos de vacinação pela falta de ampolas suficientes para quem ainda esperava na fila, na esperança de ser imunizado. A ideia era que o drive-thru durasse até 15h.

A secretária de Saúde, Gabrielle Siqueira, reconhece que houve um pouco de falta de organização e muita ansiedade por parte da população, e que isso será avaliado na segunda-feira, 15, devendo nortear uma mudança no planejamento da ação de imunização no município.

“Tudo culminou na nossa ação de hoje. O que me deixa tranquila é que mais 380 pessoas receberam a dose, nessa faixa etária de direito. O nosso plano A vinha acontecendo e hoje, realmente, vimos que temos que ir para o plano B. O que aconteceu aqui? Era para ser uma ação organizada, que era para serem recebidas as doses com calma, e realmente não aconteceu; começaram filas ontem, faltou estratégia nossa nessa ação – mas não no plano de vacinação”, avalia a gestora.

Neste sábado, a vacinação foi destinada às pessoas entre 75 e 79 anos de idade e àqueles acima de 80, que não tivessem recebido a primeira dose da imunização. O trabalho de vacinar os moradores de Laguna começou em fevereiro e pouco mais de 1,6 mil pessoas já receberam ao menos uma das doses.

“Até o momento tinha dado certo, a gente sabe e eu assumo a responsabilidade. Na segunda-feira, vamos sentar com a equipe de imunização e fazer a reestruturação de toda a ação de vacinação no município. Agora, o público vai começar a crescer e vamos descentralizar”, afirma.

Descentralização

O novo plano de vacinação da prefeitura que deve ser anunciado a partir de segunda-feira, 15, segundo Gabrielle, vai apostar na descentralização da ação de imunização.

O sistema de drive-thru deve ser mantido, porém, restrito às localidades mais próximas e as mais distantes devem ser atendidas nas comunidades com salas de vacina. Atualmente, Passagem da Barra, Campo de Fora, Mar Grosso, Magalhães, Progresso, Portinho e Cabeçuda possuem espaços para imunização.

“Vamos descentralizar a partir de hoje para garantir que o idoso contemplado pela faixa etária, ele vá e receba a vacina. A gente vai fazer um cadastro com agendamento nas unidades para ele receber o imunizante e não ficar na espera”, antecipa. Regiões mais afastadas como Caputera e Ribeirão Pequeno que não possuem sala própria, será montada uma ação específica para a realização da imunização de forma a abranger o público necessário.