Ilustração: Evilym Cardoso/Foto: Elvis Palma

Um tipo de crime que tem crescido na nossa região, nos últimos tempos, é o ASSALTO RELÂMPAGO, principalmente nas saídas de residências. Esse crime é uma modalidade criminosa que tem como objetivo angariar recursos de forma rápida das vítimas, tais como dinheiro, joias e veículos.

No geral, esses crimes são realizados em residências que representam haver maior poder aquisitivo, recursos financeiros (dinheiro em espécie, joias e outros valores), veículos potentes e de alto valor comercial, etc.

Uma das táticas dos marginais é usar dos momentos de distração das vítimas, tais como período de férias, saída e chegada do trabalho, ou seja, quando as nossas percepções de segurança (conforto social e ambiental) estão em níveis mais baixos.

Para os estudiosos na área da Segurança Pública há três elementos essenciais do crime: o  alvo adequado – bens e valores; a ausência do guardião capaz – serviço de segurança pública ou privado, e o ofensor – aquele que tem intenção de cometer o delito (COHEN e FELSON, 1979).

Dentro da teoria da Prevenção Situacional pode-se diminuir os crimes atuando ativamente em dois comportamentos humanos: diminuindo a exposição (alvos) e aumentando os serviços de segurança (pública/privado).

Mas na prática o que podemos fazer para evitar tais crimes?

Tenha sempre em mente que “a ocasião faz o ladrão” – por isso adote as seguintes medidas preventivas:

  • ANTES DE SAIR DE CASA:
  1. Visualize a MOVIMENTAÇÃO próximo de sua casa. Esteja atento aos veículos não comuns, tais como motocicletas em circulação, pessoas estranhas à vizinhança, etc.
  2. Verifique pelos SISTEMAS DE SEGURANÇA (câmeras de vídeo, botão pânico, etc.) se há pessoas estranhas e veículos/motocicletas (que não são de moradores locais) estacionados na frente de sua casa/apto;
  3. Esteja com seu CELULAR pronto para fazer uma ligação ao Serviço de Emergência 190 ou com dispositivo de segurança que tenha botão pânico;
  4. Evite sair de ré, pois essa manobra diminui seus ÂNGULOS DE VISÃO da área externa;
  • AO CHEGAR EM CASA:
  1. Verifique os veículos e pessoas que estão próximo de sua casa/apartamento – geralmente os assaltantes ficam rondando as residências procurando OPORTUNIDADES para realizar o ato criminoso;
  2. Se não se sentir seguro em entrar na residência dê mais umas voltas nas proximidades/quarteirões e em caso de SUSPEITAS ligue imediatamente para o 190, informando as características das pessoas (roupas, altura, quantidade, sexo, etc.) e dos veículos (placa, cor, modelo, etc.);
  3. Só abra o portão da GARAGEM se tiver 100% de garantia de sua segurança!

PONTOS CRÍTICOS:

  1. Falta de ILUMINAÇÃO pública e particular nas saídas de garagens – iluminação eficiente é fundamental para a sua segurança (durante o dia e a noite) – Em 93% dos casos a captura foi realizada quando as vítimas estavam paradas dentro do veículo ou entrando ou saindo dele (AZEVEDO, 2010);
  2. Falta de sistemas tecnológicos e inteligentes de MONITORAMENTO (câmeras de vídeos e sistemas de alarme) – são os grandes inibidores de ações criminosas;
  3. HORÁRIO de saída e chegada (horários noturnos tendem a acontecer mais esses crimes);
  4. Espaço para MANOBRAS – evite entrar na sua garagem de frente (residências); evite sair de ré (casas e aptos);
  5. Tenha em mente que o criminoso identifica primeiramente os COMPORTAMENTOS das vítimas. Se o seu comportamento no geral é de ataque, dificilmente ele vai escolher você para realizar o assalto. Conforme definido por Miethe Souza (2010), são roubos “oportunísticos” e seus algozes são “‘oportunistas em alerta’ que são preparados para responder usando pistas abreviadas para avaliar rapidamente alvos atraentes”;
  6. Instale em seu veículo um RASTREADOR veicular – isso é fundamental tanto para a recuperação do seu bem, quanto para as polícias realizarem a prisão dos criminosos;
  7. Portões de garagens com sistemas automáticos de fechamento podem ser uma “porta aberta” para a ação dos criminosos – verifique o tempo de fechamento programado!
  8. Em caso de uso de ARMAS, lembre-se: seu carro, joias e dinheiro não valem sua VIDA!

Sempre que avistar quaisquer problemas de Ordem Pública ligue para o 190 – o canal de atendimento de emergências da Polícia Militar.

Caso não tenha o Aplicativo da PMSC, baixe no seu Smartfone o “PMSC Cidadão”.

Polícia Militar de Santa Catarina – Presentes e protegendo!

BIBLIOGRAFIA

Azevedo, Letícia Rodrigues de. Do medo de morrer ao medo no viver: um estudo sobre o seqüestro relâmpago e suas vítimas / Letícia Rodrigues de Azevedo. — Salvador: L.R. de Azevedo, 2015. Universidade Federal da Bahia Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Doutorado em Saúde Pública  Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/18020.

COHEN, L. E.; FELSON, M. Social Change and Crime Rate Trends: A Routine Activity Approach. American Sociological Review, 1979, 44, p. 588-605.

MIETHE, T. D.; SOUSA, W. H. Carjacking and its consequences: A situational analysis of risk factors for differential outcomes. Security Journal, v. 23, 4, p.241-258, 2010.


 

EVANDRO DOS PASSOS FARIAS, é policial militar desde 2003. Formado em Engenharia de Pesca (Udesc) e especialista em Gestão e Planejamento de Cidades (Unica). É integrante da Rede de Produção Científica da PM-SC e gerencia o programa Rede de Vizinhos no 28º Batalhão de PM de Laguna.