Pioneira no Sul de SC, Difusora de Laguna completa 75 anos

Foto: Fernando Carlos/Achou Publicidade/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 472 visualizações,  4 views today

Do alto dos postes para a sintonia no telefone celular ou pela internet, a Rádio Difusora de Laguna tem uma história marcada pelo pioneirismo, inovação e compromisso com a cidade.  Emissora pioneira do Sul de Santa Catarina, a 91,5 FM completa nesta segunda-feira, 75 anos de fundação.

Inaugurada oficialmente em 1946, a rádio começou três anos antes como um serviço de alto-falantes denominado Tupã. A iniciativa foi do entusiasta Nelson de Paula Almeida, cuja carreira no meio radiofônico tinha começado em Paranaguá, no Paraná, com passagem inclusive pela histórica PRB-2 Rádio Clube Paranaense. Vindo para Laguna, contou com a ajuda do major Pompílio Pereira Bento (que viria a ser proprietário da Difusora e também prefeito do município), que organizou para ele um pequeno negócio comercial objetivando arrecadar recursos para se estabelecer na cidade.

Com dinheiro no bolso, organizou o serviço de alto-falante. Motivado pela aceitação popular, se juntou a Erotildes Guimarães e Carlos Cordeiro Horn e fundaram uma sociedade radiofônica, que entrou no ar ainda sem prefixo (um código de identificação que equivale ao RG das pessoas). Ocorre que já havia uma rádio em São Paulo com o nome de Tupã e foi preciso movimentar os ouvintes para a escolha de uma nova nomenclatura para a emissora, que já buscava seu registro. As cartas e recados que chegaram à sede da estação em sua maioria pediam apenas um nome: Difusora – e este foi o escolhido.

Quando entrou no ar, a emissora se consolidou imediatamente como uma potência no Sul catarinense. A ZYH-6 (seu primeiro prefixo) atraia a atenção dos ouvintes com a política, a música e o futebol, um tripé de programação feito inteiramente ao vivo com os recursos mais tecnológicos que havia na época.

Foi na Difusora de Laguna que surgiram programas que marcaram época como A Hora do Despertador, criação de Dakir Newton Polidoro. O radialista veio de Florianópolis em 1956 para integrar a equipe da emissora lagunense e montou o programa que, dado o sucesso, o levou anos mais tarde de volta à capital. No grupo de programas históricos, está o pioneiro Picadeiro Político. Idealizado por Nelson Almeida e transmitido entre 1949 e 1956, a atração trazia ácidos comentários sobre o panorama político da cidade. Os textos não eram produzidos pelo apresentador, mas sim por um jovem mestre da escrita: Osmar Cook, o mesmo que escreveu a letra do hino de Laguna.

A Difusora também é marcada em sua época de ouro pelas atrações musicais transmitidas ao vivo em auditório, na sede da emissora, ou nos cinemas da cidade como o Mussi e o Central, nos anos 60. Um deles foi o Musicruz Show, comandado pelo jovem Batista Cruz – com 56 anos de rádio, o radialista também fará 75 anos, comemorados um dia após a data festiva da emissora. “Era um programa que atraia multidões para ver os melhores músicos e artistas que tínhamos na época”, relembra Cruz.

Dakir Polidoro: ‘A Hora do Despertador’ marcou época no rádio de Laguna e de Florianópolis. Foto de 1950/Arquivo Difusora

“Naquela época havia um relógio muito grande que ficava no estúdio e a gente seguia ele para dar a hora certa. Um locutor ainda em fase de testes foi dar a hora certa e anunciou o patrocinador, mas na hora de falar, cadê o relógio? O operador tinha tirado para pregar uma peça e saiu no ar assim: ‘Atenção para a hora certa… quem tirou o relógio da parede?'”, conta a ex-radialista Maria da Glória Andrade, que fez parte da ‘Difa’ por alguns anos na década de 1960.

No jornalismo, a emissora também é sempre lembrada pelos programas como o Grande Jornal Falado, mais tarde substituído pelo Difusora ao Meio-Dia, trazendo fatos e notícias do cotidiano da cidade. Da mesma forma, são inesquecíveis as coberturas esportivas do futebol amador com o Barriga Verde ou da tentativa de colocar a cidade no estrelato do profissionalismo com o já saudoso Laguna Esporte Clube.

Nesse grupo também entram as transmissões ininterruptas do Carnaval lagunense, que movimentavam a programação. “A rádio fazia um concurso de máscaras e todo mundo vinha mascarado querendo ganhar um prêmio. Era muito bom. Era um Carnaval de verdade. Foi a época de ouro e a gente cobria tudo”, recorda o radialista Vânio Santos, que segue, assim como Cruz, na equipe da Difusora.

Sempre marcada pelo pioneirismo, a Difusora foi a primeira a ter um microfone sem fio, a possuir um gravador com fita de arame e a transmitir propagandas gravadas em disco, que vinham para Laguna de avião – tudo isso antes do fim dos anos 1950. Já na década de 1970, atingida pela popularidade da televisão, viu sua hegemonia diminuir – ali, a emissora já não era a única da cidade: a Rádio Garibaldi (hoje Hiper Tubarão FM) havia estreado oficialmente em 1962 – e foi só se reergues nos anos 1980, com a credibilidade recuperada através do jornalismo e programas musicais.

Pelo rádio: Dakir Polidoro narra e Newton Baião comenta Barriga Verde x Flamengo. Arquivo Pessoal/Marcelo Baião

A Difusora também fez parte do segundo maior conglomerado de mídia de Santa Catarina, a Rede de Comunicações Eldorado (RCE), entre 1982 e 1995. Foi nesta fase que por um curto período virou Rádio Sucesso, com programação centrada no musical sertanejo, fazendo uma espécie de rede com emissoras em Florianópolis e Criciúma.

“O nome Difusora é muito forte. A RCE Rádios, do qual a emissora pertencia, mudou o nome para Rádio Sucesso, que era uma ideia nova. Rapaz, a população se revoltou! Eram cartas e telefonemas que diziam que ‘acabaram com a Difusora’, que a ‘Difusora era nossa’. Sei que a Sucesso durou cerca de um ano, foi um Deus nos acuda e depois a RCE voltou atrás”, lembra o radialista Paulo Roberto Cereja, hoje na Rádio Mix. Na virada do milênio, houve uma nova tentativa de fazer seu nome mudar, agora para Rádio Laguna AM, mas também não deu muito certo e voltaram atrás.

Digitalizada e sempre a frente de seu tempo, a rádio foi a primeira de Laguna a abandonar a faixa AM passando para se tornar uma emissora FM em 2017, fazendo companhia com a Mix e a atual Rádio Hits (antiga Vitória). Hoje, com uma programação variada, que passa do jornalismo para o musical, e avança também no entretenimento, a 91,5 FM mantém seu público fiel cativando ouvintes que viram a emissora nascer e outros que começaram a descobri-la agora.

Como ouvir a Difusora de Laguna

Foto: Luís Claudio Abreu/Difusora de Laguna