Presidente do hospital de Laguna expõe preocupação com atual momento da pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,008 visualizações,  8 views today

Enfrentando uma das maiores crises sanitárias dos últimos cem anos, o Hospital de Caridade Senhor Bom Jesus dos Passos tem driblado as dificuldades para se manter ativo no combate à pandemia do novo coronavírus. Atualmente, o principal problema encontrado pela direção é a contratação de profissionais, situação que se reflete em vários outras casas de saúde do país.

Nessa época do ano, o hospital reforça sua equipe de atendimento de emergências para suprir a demanda na temporada de verão, que atrai muitas pessoas para Laguna. A pandemia, porém, vem causando escassez de mão de obra para contratação, ao mesmo tempo em que provoca baixas na equipe que já atua na instituição.

Tatiana Mansur Blosfeld, médica-presidente do hospital, conta que só no último mês, 45 profissionais da entidade foram afastados – a maioria por coronavírus, segundo ela. “Esse mês a gente fez algumas novas contratações, mas temos dificuldades de encontrar novos profissionais e isso dificulta o atendimento durante o veraneio. A preocupação é que o hospital tem uma capacidade ‘x’ de atendimento que até hoje conseguiu dar conta da demanda municipal, mas a gente sabe que no verão, o número de pessoas na cidade aumenta muito e não será um verão normal. A demanda já tem sido maior”.

Durante a pandemia do novo coronavírus, o hospital tem atuado como extensão do centro de triagem, atendendo os casos suspeitos quando o órgão municipal não tem atendimento. Além disso, desde agosto, o Senhor Bom Jesus dos Passos mantém em funcionamento dez leitos destinados ao tratamento intensivo (UTI) e desde novembro, a capacidade de ocupação da unidade tem oscilado entre 80% e 100%, os piores índices já registrados. Apenas pacientes com confirmação de contaminação por Covid-19 são internados na UTI de Laguna.

“Se a demanda aumentar demais, podemos ter prejuízos no atendimento como filas ou demora. Isso vai ter que ser estudado a cada semana conforme a demanda for aumentando, vamos ter que encontrar saídas para isso junto à prefeitura”, alerta Tatiana.

Para a médica, o momento atual é alarmante. “É uma preocupação grande. Estamos entrando nas festas de fim de ano com as pessoas se encontrando, chega o verão, praia… e se a demanda aumentar, a gente fica angustiado pois as UTIs estão cheias. Que fique de alerta para as pessoas repensarem as festas, diminuir os encontros e usar a máscara, que é muito importante”, orienta.

Tatiana destaca que atualmente, o único método de proteção eficaz contra coronavírus é o distanciamento social, somado às medidas de prevenção, incluindo o uso de álcool em gel 70%.

Atendimento

O atendimento prioritário a pacientes com suspeita de contaminação ou confirmação por coronavírus é feito no centro de triagem na rua Vitor Meirelles, bairro Esperança. Por isso, a recomendação é buscar primeiro o órgão municipal, em seu horário de funcionamento: de segunda à sexta, das 7h às 19h.

O hospital atende principalmente os casos mais graves e deve ser buscado, principalmente, quando há presença de sintomas fortes do coronavírus, como falta de ar ou febre alta. “É uma doença que precisa de avaliação médica e cuidado. Pedimos que todos tenham consciência coletiva. Precisamos fazer nossa parte e ter bastante cuidado”, conclui a médica.