Desembargador mantém bloqueio de bens de ex-prefeito de Laguna e empresa por suspeita de superfaturamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 968 visualizações,  20 views today

Uma decisão monocrática do desembargador Luiz Fernando Boller, proferida na segunda-feira, 14, manteve bloqueado os bens do ex-prefeito de Laguna, Everaldo dos Santos (PDT) e da empresa Magapavi Construtora. As duas partes respondem a ação civil pública por supostas irregularidades e superfaturamento na obra de revitalização da orla da praia do  Mar Grosso.

Boller adequou a decisão para restringir o bloqueio de valores e bens ao montante apontado pelo Ministério Público, autor da ação, como acima do permitido pela legislação. De acordo com aditivos e correção de valores pactuados entre a empresa e a administração municipal, segundo relatório contábil confeccionado pelo MP, ocorreu um reajuste no preço final da obra da ordem de 49,79%, quase o dobro do legalmente permitido de 25%.

A revitalização começou em 2011, porém, de acordo com a denúncia do Ministério Público, parte dos serviços contratados no processo não foram executados. O magistrado justificou a decisão de adequar os valores inicialmente bloqueados, que haviam alcançado mais de R$ 1,2 milhão, sem contar bens imóveis e veículos automotores dos envolvidos.

“Ocorre que, sendo o acréscimo de 25% legalmente permitido, a indisponibilidade deve recair apenas no que lhe excedeu, qual seja, nos 24,79%”, explicou o relator em sua decisão.

O agravo de instrumento proposto pela defesa da empresa ainda será analisado de forma colegiada junto a 1ª Câmara de Direito Público do TJ.

O que dizem os envolvidos

Agora Laguna entrou em contato com o escritório de advocacia que representa a empresa e também com o ex-prefeito para obter o posicionamento de ambas as partes.

“Não há qualquer ilegalidade no contrato, tanto que já foi devidamente fiscalizado pelo TCU e CEF, não tendo encontrado qualquer irregularidade”, disse o ex-prefeito Everaldo dos Santos (PDT).

“O recurso interposto pela empresa Magapavi e Pedro Paulo Alves teve sua liminar parcialmente concedida e aguardaremos o julgamento final do mérito, oportunidade em que certamente será reconhecida a inexistência de qualquer ilegalidade no contrato. Aliás, referido contrato e a execução da obra teve sua regularidade atestada pela Caixa Econômica Federal e pelo Tribunal de Contas da União”, afirmou o advogado Ernesto Baião Bento, que representa a construtora e seu proprietário.

A obra

A revitalização da orla incluiu a colocação de palmeiras, bancos, lixeiras e rampas de acesso, bem como a construção de um novo calçadão e ciclovia. Ao todo, foram revitalizados 2,2 quilômetros no trecho entre a praia do Iró até os Molhes da Barra.

A obra foi orçada em R$ 1,9 milhão. O recurso principal veio do Ministério do Turismo (MTur), com contrapartida de R$ 233,8 mil da prefeitura. Ela incluía um calçadão de quatro metros de largura e uma ciclovia de 2,3 metros. Com 804 vagas de estacionamentos e 75 para deficientes.

Previous
Next