Vídeo: Molusco pouco comum no Sul, dragões-azuis voltam a aparecer no Gi

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 1,384 visualizações,  16 views today

Quem passou pela praia do Gi na manhã desta terça-feira, 3, pôde observar que na água havia uma espécie de molusco pouco comum: o dragão-azul. Por ser diferente e ter uma aparência bonita, eles acabam chamando atenção, porém é preciso tomar cuidado, já que ele pode provocar queimaduras como as de água-viva.

O molusco é um animal invertebrado, que tem corpo mole e que não possui a concha como no caso das ostras e os caracóis. A professora Micheli Cristina Thomas, do Departamento de Engenharia de Pesca e Ciências Biológicas, da Udesc de Laguna, explica que esse pequeno visitante tem facilidade de viajar pelas correntes oceânicas. Isso se deve ao fato deles flutuarem na coluna d’água e por terem corpo levemente achatado.

“A espécie que apareceu na praia de Laguna é do gênero Glaucus e tem uma distribuição cosmopolita por todos os oceanos, inclusive o Atlântico Sul, e é mais conhecido na região da Austrália. No Brasil, esse gênero é mais comum no Nordeste, mas eventualmente pode ocorrer na região Sul”, detalha.

A especialista reforça que o banhista tem que ter atenção ao ver o mar de dragões se aproximando. O molusco tem sua alimentação formada por cnidários, que é o grupo das águas-vivas e caravelas, e isso faz com que eles absorvam e acumulem a toxina que causa queimaduras na pele. Esse acúmulo pode provocar queimaduras mais graves ao contato.

“De modo geral, a queimadura não é muito grave e deve ser lavada com água do mar ou vinagre. Importante, não lavar com água doce pois pode piorar a sensação de queimadura; muito menos urina, e em casos mais graves buscar auxílio médico”, oriente Micheli.

Os dragões que apareceram no litoral brasileiro esse ano têm de dois a quatro centímetros de comprimento. Outra dica é que, ao ver um molusco da espécie, não é necessário entrar em pânico, mas o recomendado é sair da água para evitar acidentes. O avistamento desses animais é comum nas épocas de veraneio.

Previous
Next