‘Veio com muita força a segunda onda, não é brincadeira’, alerta presidente do hospital de Laguna

Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 392 visualizações,  4 views today

Após ter alcançado 80% de ocupação no fim de semana, o Hospital de Caridade Senhor Bom Jesus dos Passos de Laguna voltou a ficar com todos os dez leitos de terapia intensiva (UTI) ocupados. A UTI recebe apenas pessoas com Covid-19, em estado de saúde mais grave. A informação foi confirmada à reportagem pela presidente da entidade Tatiana Blosfeld, nesta terça-feira, 24.

O hospital também está com 100% de ocupação nos leitos de enfermaria que foram separados para atender apenas pacientes com sintomas leves de suspeita ou confirmação de contágio por coronavírus. Os leitos clínicos estão com 80% de ocupação. O panorama voltou a ser o mesmo da última segunda-feira, 17.

“Já estamos tendo que manejar alguns leitos clínicos-gerais para atendimento de pacientes com Covid, pois a demanda está muito grande. Então a gente gostaria de fazer um alerta para a população nos próximos dias evitar aglomeração, continuar com os cuidados e, se possível, ficar em casa, quem pode”, frisa Tatiana.

Para a médica, o aumento considerável nos casos registrados nas últimas duas semanas é um claro indicativo de que a região enfrenta uma segunda onda de infecção por Covid-19 e a situação tem prejudicado o próprio hospital, pois tem ocorrido sobrecarga na equipe, devido a afastamentos que ocorrem de profissionais que são contaminados pelo vírus.

“A gente está com poucos funcionários, muitos foram afastados por contaminação pelo Covid. Há uma dificuldade de contratação muito grande porque os profissionais da saúde estão com medo de trabalhar nesse momento.  Então a gente está com um número reduzido de funcionários tentando dar o máximo, o seu melhor, mas está muito difícil, pois a demanda está muito grande”, revela.

Tatiana Blosfeld reforça o pedido para que a população busque o hospital apenas em emergências graves, procurando o primeiro atendimento nas unidades básicas de saúde, quando os sintomas forem mais leves. Ocorre que o setor de emergência tem sofrido sobrecarga de pacientes nas últimas semanas e a casa hospitalar tem tentado diminuir o fluxo de pessoas para evitar aglomeração.

A Secretaria de Saúde do município também tem reforçado o atendimento nas unidades básicas para a detecção mais ágil dos pacientes infectados. “Estamos alertando as unidades básicas de saúde, a monitorar mais de perto os contatos diretos e pacientes, com as orientações necessárias, e a realização dos testes rápidos nos contatos”, informou Valéria Olivier. Saiba mais aqui

Na última semana, a região da Amurel, que é composta por 18 cidades, voltou a ser classificada pelo Governo de Santa Catarina como de nível gravíssimo. Esse é o pior índice de avaliação na matriz de risco do governo, que mede o avanço do vírus nas regiões de Saúde. As regiões do Alto Uruguai e Xanxerê também estão no mesmo patamar. “A gente pede que as pessoas se cuidem. Realmente, veio com muita força essa segunda onda, não é brincadeira, os casos têm sido graves”, frisa a médica.

Notícias relacionadas

Previous
Next