Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

A primeira sessão da Câmara de Laguna quase um mês depois da Operação Seival II, terá pauta reduzida e contará com apenas dez vereadores no plenário. O encontro dos edis vai acontecer após decisão judicial que suspendeu a medida cautelar que proibia os parlamentares de entrar no prédio do Legislativo e de ter contato com servidores do poder. A sessão está marcada para 15h, desta terça-feira, 20.

A pauta da reunião ordinária foi distribuída aos parlamentares com apenas três matérias para discussão: um projeto para desvincular os fundos da Cosip para uso pela prefeitura em fim específico (segunda votação), um de regulamentação de estabelecimentos que compram materiais de metal usados para revenda (segunda votação) e o último é para dar denominação à via pública (primeira votação). Há uma quarta iniciativa relacionada, mas ela apenas vai entrar em tramitação e que diz respeito à nomeação de rua.

A presidência da sessão será feita pelo vereador do PSDB, Osmar Vieira, que é o vice-presidente do Legislativo. Três vereadores, Cleosmar Fernandes (presidente da Câmara), Thiago Duarte e Valdomiro Barbosa, todos do MDB, estão detidos desde o fim de setembro na sede da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), em São José.

De acordo com a assessoria jurídica da casa, as três vagas que pertencem ao MDB só devem ser preenchidas na próxima semana. O regimento interno diz que para convocar um suplente, o afastamento do titular da cadeira deve ser superior a trinta dias. O entendimento comum é que a prisão configura afastamento e, portanto, esse prazo contaria a partir do dia 24 de setembro.

Os suplentes que devem ser chamados para assumir a função de vereador pro tempore são: Waldy Sant’Anna Junior (hoje no PL), Maria Aparecida dos Santos Ramos e Francisco Sales Soares.