Arquivo pessoal/Ronaldo Mariano Chaves

O Partido da Mobilização Nacional (PMN) é a terceira legenda a anunciar a desistência em participar das eleições de novembro em Laguna. A decisão foi informada nesta segunda-feira, 14, pelo presidente do partido, Ronaldo Mariano Chaves, em entrevista ao Portal Agora Laguna.

“É uma eleição atípica, não temos o poder econômico tão alto assim e falta o contato com o povo. A gente não tem contato por causa desse vírus que está nos assolando”, disse Chaves, em entrevista gravada (ouça abaixo) por telefone, acrescentando: “Somos participantes como votantes e não como votados, mas vamos fiscalizar os candidatos”.

O PMN tinha intenção de lançar o próprio presidente como candidato a prefeito, como fez em 2016. A legenda também não terá concorrentes às cadeiras de vereador. Além do partido, Progressistas e PDT não irão participar da eleição de novembro em Laguna.

PMN não teve bom desempenho em 2016

Apesar de ter existido em 2007, o PMN só foi disputar uma eleição em 2016, quando de sua refundação. Na primeira tentativa, em 2008, a Justiça Eleitoral cassou o registro do diretório municipal por irregularidades. O partido chegou a registrar um candidato a vereador e integraria a chapa de apoio a Célio Antônio (PT), mas foi excluído da aliança após a decisão judicial.

Quatro anos atrás, o PMN concorreu com Ronaldo Chaves a prefeito e somou apenas 48 votos – a candidatura chegou a ser impugnada pela Justiça. No Legislativo, a sigla lançou três candidaturas que somaram 18 votos totais, somando com os votos aplicados apenas à legenda. Não elegeu nenhum candidato à Câmara.