Divulgação/Casan

A Companhia Catarinense de Água e Saneamento (Casan) orienta que água da chuva não é esgoto e não deve ser direcionada às redes coletoras da companhia. Essa prática pode causar diversos problemas, como entupimentos, sobrecarga da rede coletora e extravasamentos na cidade. A água da chuva também compromete o bom funcionamento da estação de tratamento de esgotos.

Consequentemente, a saúde pública e o meio ambiente também podem ser afetados com o uso inadequado da rede pública de saneamento. De responsabilidade da companhia, a rede coletora de esgotos domésticos recolhe as chamadas “águas cinzas” dos imóveis, levando para as estações de tratamento. É nessas unidades que a água das diversas atividades diárias é depurada, antes que o efluente final seja devolvido ao ambiente.

As redes de drenagem é que devem receber a água da chuva, sendo uma responsabilidade do Poder Público Municipal. São também estruturas de grande importância, pois devem garantir o adequado escoamento da água da chuva, para que as ruas das cidades não sejam alagadas em períodos chuvosos.

Todo imóvel precisa contar com duas saídas: uma para o esgoto, que deve recolher os resíduos de vasos sanitários, chuveiros, pias e tanques, e outra para a água que escorre pelas calhas e pelos ralos. Essa última deve conduzir até a sarjeta, onde a água segue para as galerias pluviais e, por fim, chega a rios, córregos ou piscinões. A companhia também alerta que equipamentos da rede de esgoto, como as Caixas de Inspeção e Poços de Visita, não podem ser abertos para escoamento da água da chuva.