A chuva que caiu sobre Laguna entre a noite de sexta-feira, 14, e o começo da manhã desta sábado, 15, expuseram novamente a situação decadente e o descaso com o terminal rodoviário municipal. Com pouco movimento e sem receber ônibus devido aos decretos municipais que suspenderam a circulação do transporte coletivo, a estrutura pública está parcialmente destelhada desde 30 de junho, quando houve o ciclone-bomba, e até o momento não teve sua situação resolvida.

Segundo a Defesa Civil municipal, ao menos 15 telhas do tipo ‘calhetão’ foram quebradas durante o ciclone. O órgão chegou a colocar lonas como paliativo, mas os pregos e parafusos existentes no teto rasgaram a cobertura provisória colocada.

Havia dúvidas sobre a responsabilidade pela troca das telhas, se o dever seria da administração municipal ou da associação de empresários que mantém a rodoviária. “A responsabilidade é da prefeitura. A associação é somente para manter a conservação e limpeza do prédio, mantido pelo recolhimento do dinheiro da taxa de embarque”, aponta a presidente da entidade, Maurina Fernandes.

Ao Portal Agora Laguna, a secretária de Finanças, Administração e Serviços Públicos, Luciana Fernandes, justificou o atraso na troca das telhas pela falta do modelo usado na cobertura no mercado. “Considerando que são telhas especiais e não tinham a pronta entrega, o material foi encomendado. Creio que esta semana chegue. Por isso foi feito um paliativo. A Defesa Civil está acompanhando. De imediato, recebi um orçamento de R$ 6 mil, porém após a vistoria foi atestada novas necessidades e com valores maiores”, explicou.

Foto: André Luiz

Empresas são afetadas

Na primeira semana após o ciclone, as empresas coligadas Lagunatur e Alvorada suspenderam o atendimento nos seus guichês após o espaço ter ficado alagado, impedindo o funcionamento e danificando equipamentos. A R&L Turismo (representante de transportadoras como Eucatur) teve problemas semelhantes em 12 de agosto e voltou a enfrentar alagamentos neste sábado, 15.

O problema não atinge somente funcionários das empresas de  ônibus. Empresários que têm comércio no local também tiverem seus negócios afetados, seja pela chuva, ou pelos furtos que ocorreram no espaço. Recentemente, uma lanchonete foi alvo da criminalidade. No último domingo, 8, o Portal Agora Laguna mostrou ao vivo a realidade atual do terminal.