Liminar proíbe ligação de água e energia em imóveis irregulares, em Laguna

Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 2,212 visualizações,  12 views today

Imóveis que não apresentarem alvará de construção, habite-se ou que estejam em situação irregular (loteamentos clandestinos ou áreas de preservação permanente) não poderão ser ligados às redes de eletricidade e abastecimento de água. O Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC) conquistou liminar que proíbe a Casan e a Celesc de fazerem esses serviços.

A liminar é resultado de uma ação civil pública proposta pela 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Laguna e pode ser recorrida. Além de impor multa às empresas em R$ 60 mil caso haja descumprimento, o município também pode ser penalizado em R$ 5 mil, se emitir outros documentos autorizando ligações de água e energia elétrica com base na lei municipal 2.171/2020.

O MPSC questionou a legislação pelo fato de permitir novas ligações de água e energia mediante simples declaração favorável da Fundação Lagunense do Meio Ambiente (Flama) e ainda requereu que a lei seja declarada inconstitucional e ilegal. “Causa espanto ainda a previsão de que para a declaração da Flama bastaria apresentar uma foto simples do imóvel junto ao Google Maps ou Google Earth”, aponta a promotora de Justiça, Raíza Alves Rezende.

A ação surgiu após descumprimento de recomendação para que o município ajustasse a lei, baseado nas leis de Parcelamento do Solo Urbano, Regularização Fundiária Urbana e ao Código Florestal. A lei municipal foi publicada em agosto, sem atender ao pedido, permitindo a obtenção de instalação de energia e de luz indiscriminadamente, sem exigir alvará de construção ou de habite-se.

“Tanto as ligações de água quanto de energia elétrica, sem respeito a critérios legais mínimos de urbanização, foram e continuam sendo fundamentais para o sucesso de empreendimentos, loteamentos e construções clandestinas e irregulares nesta cidade”, sustenta Raíza.

O que dizem os envolvidos

A prefeitura informou que irá cumprir a liminar, mas que a analisa. “Embora sendo uma liminar, trata-se de decisão judicial e como tal há de ser cumprida. Estamos analisando, se houver alguma ponderação a ser feita, deverá ser por meio do recurso devido”, frisou o procurador Antônio dos Reis.

A Flama também apontou no mesmo sentido. “Fizemos a portaria número 14 que suspende a emissão de certidões para fins de ligação ou religação de água e energia até que essa decisão [liminar] seja reformada ou que nova lei disponha sobre o assunto”, informou o presidente da autarquia, Victor Baião, citando que um projeto de lei já está em estudos na procuradoria nesse sentido.

A Casan de Laguna disse que não foi notificada, mas que cumprirá a determinação. A Celesc foi contactada e até a última atualização não havia enviado posicionamento.

Notícias relacionadas

Previous
Next