Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

As restrições de isolamento social orientadas pelas autoridades sanitárias devido à pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) trouxeram uma realidade dura à realização de eventos em toda a região. Faltando menos de cinco meses para o ano-novo, as prefeituras começam a tomar decisões sobre as atividades que marcam o Réveillon. Em Laguna, já há uma ideia de substituir as apresentações musicais por uma queima de fogos simbólica.

“Tivemos reunião segunda passada do Conselho Municipal de Turismo e discutimos entre outros assuntos, a virada do ano. Se fosse hoje, coloquei a seguinte ideia, de fazer um show pirotécnico no alto do Morro da Glória, sem a presença de público por ser inviável por causa da pandemia que passamos”, explica o secretário municipal de Turismo e Lazer, Evandro Flora.

Apesar de o conceito ter sido aprovado pelo colegiado turístico por unanimidade, o planejamento pode ser alterado, dependendo das condições sanitárias. Flora antecipa que, por iniciativa de Laguna, uma reunião na próxima semana com a participação dos secretários de Imbituba, Garopaba, Jaguaruna e Balneário Rincão vai discutir a viabilidade das ações de fim de ano. O desejo é que os municípios tomem decisões sincronizadas sobre a virada.

“A decisão vai ser tomada como se o Réveillon fosse agora. Ainda temos alguns meses pela frente e até novembro, muita coisa pode mudar; e tomara que mude”, diz o gestor de Laguna. “O setor de Turismo foi o mais prejudicado de todos [pela pandemia], principalmente o de turismo de eventos”, comenta.

Nesta semana, Imbituba informou que cancelou as festas de virada de ano. “Atravessamos um momento de muitas incertezas com relação a epidemia. Não sabemos como estaremos no final de ano. Além disso, há também as incertezas econômicas que as consequências da epidemia vão trazer. Temos que ter cuidado com a saúde das pessoas e com a questão orçamentária”, justificou o prefeito Rosenvaldo Junior (PSB).