Terra Laguna, 344 anos

"A gente sabe que está vendendo o nosso peixe aqui e puxando a sardinha para o nosso lado, mas, apenas neste dia 29, tudo isso é permitido".

1418

Terra de gente humilde, trabalhadora, que não se deixa desanimar por qualquer motivo. Celeiro da boa gente, aquela gente criativa, que cativa, que inspira, e que se apaixona, afinal, esta é uma terra romântica por demais, onde cada lugar é um paraíso, uma pintura divina. Uma obra de arte que nós temos sorte de poder apreciar todos os dias. 

É. Em cada praça, cada esquina, se encontra um lagunense, sempre sorridente, alegre com a vida. É nosso cartão de visitas, é nosso jeito de ser. Algo tão nosso, mas que fazemos questão de compartilhar. Pois afinal, qual lugar deste Brasil te recebe com mais calor humano como este cantinho remoto do Sul do país, que já dividiu o mundo em dois e até foi capital de uma República?

Só podia ser Laguna. Terra abençoada! Mais um ano. Um ano para uma coletânea histórica de vivências, aprendizados e de fatos.

É… por onde você olha, você se apaixona por essa cidade.

Tá bem, a gente admite, somos suspeitos de falar e temos que reconhecer que nem tudo é perfeito, a cidade também tem seus erros. Mas é assim mesmo, a gente convive entre falhas e acertos, porque essa é a graça da vida. O importante é que por mais que as vezes pareça que a cidade não vai andar, ela te dá várias razões para acreditar. 

Ah! Sabe o sorriso do lagunense? É um sorriso sincero, de gente que fica feliz por qualquer vitória. Seja pela taça do time do amador lá de Bentos, Caputera, ou do Estreito. As ondas do Farol, do Mar Grosso… ou apenas curtir o sol, no Gravatá, na praia do Sol. Quando tem safra de tainha lá no Molhes, acompanhada dos botos, então? É festa em toda a cidade. 

Isso lembra a nossa gastronomia, que já foi reconhecida por todo mundo, até pela Ana Maria, que já provou as delícias típicas dos nossos ancestrais açorianos, que também aprenderam algumas dicas com os italianos, os hermanos, os árabes, os alemães. Um pedaço do mundo todo está aqui e isso é porque somos uma terra hospitaleira.

Por falar nisso, quando chega um visitante, fazemos questão de oferecer a água cristalina da Carioca. Abençoada por Santo Antônio, dizem que quem bebe desta água sempre volta. E quem às vezes não retorna, fica com uma saudade. O Pedro Raymundo que o diga, eternizou essa saudade em forma de canção. Uma valsa: “Saudade de Laguna que é tudo pra mim”.

Ah, Toninho! Não podemos esquecer de falar de você. Temos tantos santos aqui nos protegendo, mas o mais forte ainda sim é você e aqui um pedido de desculpas, por todas as vezes em que as lagunenses e as lagunistas te deixaram de ponta-cabeça à espera do companheiro. E a gente fala isso, só porque a religião é um dos fortes “da” e “de” Laguna. Unidos, evangélicos, umbandistas, católicos e até aqueles que não creem, reconhecem: essa cidade é uma paraíso! 

E ela já foi muito maior, é verdade. Pode ser considerada a mãe de todas as outras aqui do Sul e até do vizinho estado do Rio Grande. Também é dona de uma cultura gigante, que vai de pintores, atores, músicos e vários outros artistas. Aliás, a gente não pode seguir adiante sem mencionar duas entidades guerreiras: a Carlos Gomes e a União dos Artistas que fazem a trilha sonora da cidade há mais de 100 anos, e que nos deixam hoje órfãos de ouvir, um parabéns para você, orquestrado e afinado.

É Laguna, terra de Anita, do Jerônimo, do Lamego, do Mengálvio também, terra de Joãos, de Marias, de Pedros, de Josés… terra de todos nós. A gente sabe que está vendendo o nosso peixe aqui e puxando a sardinha para o nosso lado, mas, apenas neste dia 29, tudo isso é permitido. 

Sabe Laguna, hoje é teu aniversário, e nós queríamos te dar um abraço, mas não podemos fazer. Essa pandemia diminui a alegria, mas não acaba com a esperança. Esperança de amanhã nos vermos novamente, cumprimentando, abraçando, cantando e comemorando juntos teu aniversário. 

A gente bem que queria poder dizer: “Aproveita teu dia”, mas não podemos. Olha o isolamento. Mas quando tudo isso passar, se lá no ano que vem tudo estiver melhor, a festa é por nossa conta! Vamos todos juntos te celebrar, te curtir, fazer um verdadeiro Carnaval fora de época, como só você, Laguna, sabe fazer!

Viva à cidade juliana! Viva Laguna! 


Texto: Luís Claudio Abreu

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna