Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

A reunião extraordinária realizada pelos 18 prefeitos das cidades que compõem a região de Laguna para reavaliar a possibilidade de medidas ainda mais restritivas anunciadas na última semana, como resposta ao avanço veloz do novo coronavírus, terminou com a decisão de não modificar o texto atual até quarta-feira, 15, quando um novo encontro vai debater a situação.

Desta forma, até quinta-feira, 16, seguirá valendo o documento publicado no fim de junho que proibiu a circulação de pessoas em praias e determinou multa para quem não cumprisse a determinação do uso de máscaras em locais públicos e privados. O encontro deste domingo, 12, decidiu apenas alterar o limite de ocupação de clientes em estabelecimentos que cai de 50% para 40% e que apenas uma pessoa por família poderá acessar supermercados na região.

O documento perderia a validade nesta semana e daria lugar a um decreto ainda mais restritivo. O texto que virou alvo de polêmica, previa que o comércio não abriria aos fins de semana e estabelecimentos de alimentação operassem com atendimento ao público apenas em dias úteis. Em Tubarão, houve carreata de empresários contra o documento.

O prefeito de Laguna, Mauro Candemil (MDB), disse ao Portal Agora Laguna que os municípios vão esperar um novo relatório estadual para saber que caminhos serão tomados. O município lagunense tinha editado um decreto acatando as medidas restritivas, mas voltou atrás no sábado em edição extra do Diário Oficial sem possibilitar que elas entrassem em vigor.

As restrições foram apresentadas com base na classificação do governo do Estado que elencou a Amurel como de risco gravíssimo para o contágio desenfreado do novo coronavírus. Em Laguna, há 108 pessoas diagnosticadas com infecção, sendo que 60 estão curadas e duas mortes foram registradas – quando o primeiro texto foi divulgado, a cidade tinha 40 infectados e 29 curados, sem nenhum óbito.