UTI em fase de conclusão – Foto: HCSBJP/Agora Laguna

Previstas para serem entregues nesta quarta-feira, 29, data em que se comemora o aniversário de Laguna, as obras de conclusão dos dez leitos de terapia intensiva (UTI) do Hospital de Caridade Senhor Bom Jesus dos Passos ficarão para a primeira semana de agosto. Um atraso na adequação elétrica da estrutura, que precisa de um novo sistema, motivou a mudança de prazo.

Como antecipou em primeira mão o Portal Agora Laguna, a UTI necessita de um funcionamento em cadeia de vários equipamentos eletrônicos fundamentais ao tratamento do paciente. A rede elétrica do hospital atualmente não tem capacidade suficiente para atender à esta demanda.

Alguns anos atrás, a casa hospitalar ganhou um recurso de R$ 300 mil para a construção de subestação capaz de garantir a potência elétrica necessária. “Mas a mudança de padrão ainda não havia sido feita”, esclarece a administradora do hospital, Cheyenne Andrade.

Desde sábado, 25, equipes da Celesc atuam no prédio do hospital para a fazer as modificações necessárias. Os equipamentos de suporte intensivo também passarão por testes, já que alguns nunca foram ligados – como os itens de climatização, que precisavam da mudança de padrão para funcionar, por exemplo.

Somente após a conclusão desse processo de alteração no padrão e testagens é que a UTI poderá ser aberta, segundo as gestoras. A ideia inicial é poder entregar a obra na próxima segunda-feira, 3 de agosto. Um ato simbólico deve acontecer para marcar a conclusão dos trabalhos, que foram realizados a partir de um convênio de R$ 476 mil firmado entre o município e a instituição.

Foto: Agora Laguna

Insumos são próximo passo

O desafio para a abertura da UTI esbarra em outra questão: a falta de insumos no mercado. A alta procura gerada pela pandemia do coronavírus fez com que os estoques de materiais médicos baixassem consideravelmente e gerasse um encarecimento dos preços. A dificuldade não é sentida apenas pelo hospital de Laguna.

A instituição busca garantias para conseguir materiais e abrir a unidade em agosto e ir montando um estoque próprio de insumos gradativamente. “A gente não esperava. Aconteceu e estamos caminhando pra tornar isso realidade”, diz a presidente do hospital, Tatiana Mansur Blosfeld.

Ela também explica que o hospital precisa abrir a unidade para correr atrás do credenciamento junto ao governo federal. “Só podemos fazer o credenciamento com a UTI aberta e em funcionamento. Antes não podemos fazer nada, pois não temos o leito funcionando”, completa.

A UTI irá entrar em funcionamento com suporte financeiro por seis meses a partir da data de abertura, sendo três com recursos do governo estadual e mais três, com verba federal. “É o tempo que vamos ter para correr atrás do complemento para conquistar a habilitação convencional, para que se mantenha aberta em 2021”, pontua Cheyenne.

Equipe médica

O hospital também prevê que até a primeira semana de agosto a equipe da UTI estará toda completa. “A contratação de equipes tem sido a parte mais tranquila”, comemora a presidente. Todos os médicos necessários já foram contratados e casa hospitalar busca profissionais para a equipe auxiliar.

Histórico

O projeto de implantação foi iniciado em 2007, sendo aprovado três anos depois. Todos os recursos para a criação dos leitos vieram por meio de convênio através do governo estadual.

Sete anos depois da criação do projeto, em 2014, o hospital recebeu R$ 400 mil para a reforma do terceiro andar da unidade, onde foram instalados os leitos de terapia intensiva. Um ano depois, foram destinados R$ 300 mil para a climatização do espaço.

Em 2017, foram disponibilizados R$ 1,3 milhão para compra de equipamentos, onde foram adquiridos camas elétricas, painel de leito, macas, ventiladores, monitores e outros itens. Em 2018, foi destinado R$ 300 mil para adequação da parte elétrica para a UTI funcionar, detalha a administradora.