Cultura faz levantamento das necessidades dos espaços culturais de Laguna

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 13,156 visualizações,  72 views today

Até 24 de julho, a Fundação Lagunense de Cultura (FLC) mantém aberto um cadastro virtual de espaços culturais da cidade, criado para que a autarquia possa conhecer a necessidade desses entes. Esse é um dos processos para programar a distribuição dos R$ 334 mil previstos para Laguna pela Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, criada para diminuir o impacto da pandemia do coronavírus no setor.

A legislação federal (veja abaixo) irá funcionar como auxílio emergencial para trabalhadores da cultura e subsídio mensal para manutenção de espaços e instituições culturais e fomento a projetos. “Ainda não é a inscrição para ganhar o subsídio. O objetivo é entendermos os espaços que existem e quais as necessidades deles”, frisa a presidente da FLC, Mirella Honorato.

O cadastro pode ser acessado aqui. Um comitê de emergencial foi criado para fazer a administração da forma como será distribuído o recurso cultural. Compõem o órgão: FLC, Conselho de Municipal de Políticas Culturais, Câmara de Vereadores, Secretaria de Turismo e Lazer e Procuradoria Municipal. O município tem até 60 dias a partir do recebimento do recurso para fazer o repasse. Se não utilizado, o dinheiro será devolvido.

Auxílio para artistas

A lei prevê que seja pago uma renda emergencial aos trabalhadores da cultura em três parcelas de R$ 600, um subsídio mensal entre R$ 3 mil e R$ 10 mil para que sejam mantidas micro e pequenas empresas, organizações comunitárias culturais e também de espaços artísticos que foram afetas pela pandemia.

O texto diz que a lei é um incentivo para que sejam realizadas ações de incentivo à produção cultural, como a realização de cursos, editais, prêmios, que possam ser distribuídas pelas redes sociais ou outras plataformas virtuais. Laguna abriu um edital recente e se tornou a primeira em Santa Catarina a criar uma ação de fomento à cultura durante as restrições sociais.

Outro ponto da lei diz que bancos federais poderão disponibilizar linhas de crédito e condições para renegociação de dívidas a trabalhadores do setor cultural ou a micro e pequenas empresas. As linhas são voltadas ao fomento de atividades e compra de equipamentos. Já o pagamento dos débitos só será feito a partir de 180 dias após o fim do estado de calamidade pública e deve ser feito mensalmente, em até 36 meses.

Requisitos necessários

Os profissionais da cultura precisam preencher alguns requisitos para estarem aptos a receberem o recurso:

  • Não possuir emprego formal;
  • Ter trabalhado ou atuado socialmente na área artística nos 24 meses anteriores (dois anos) à data da publicação da lei;
  • Não receber outro benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal (com exceção do Bolsa Família);
  • Ter renda familiar mensal de até meio salário-mínimo por pessoa ou total de até três salários-mínimos;
  • Não ter recebido mais de R$ 28.559,70 em 2018;
  • Não receber auxílio emergencial do governo federal.

Aldir Blanc

A lei foi proposta pela deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) e homenageia o escritor e compositor musical Aldir Blanc. O artista nasceu no Rio de Janeiro em 1946 e morreu em março, vítima do novo coronavírus. Blanc cursou medicina voltado à psiquiatria, mas largou a profissão para se dedicar à música no começo dos anos 1970.

Ele assina composições que entraram para a história da música brasileira. “O bêbado e a equilibrista”, em parceria com João Bosco, foi eternizada na voz da gaúcha Elis Regina. Não foi a única: “Bala com bala”, “Caça à raposa” e “O mestre-sala dos mares”, são alguns exemplos de letras compostas pelo carioca.

A parceria com Bosco rendeu músicas, que entraram para a trilha sonora de várias novelas, como “Bijuterias”, que foi tema do folhetim O Astro, da TV Globo em 1977 e 2011. Escritor, publicou livros com crônicas sobre histórias e personagens da Zona Norte do Rio, como: “Rua dos Artistas e Arredores” (1978); “Porta de tinturaria” (1981), “Brasil passado a sujo” (1993) e “Vila Isabel – Inventário de infância” (1996). Também colaborou com os jornais O Dia, O Globo e O Estado de São Paulo.