Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

A fábrica de gelo do Porto de Laguna será terceirizada. A SCPar, gestora do terminal, publicou no Diário Oficial da última quarta-feira, 10, o contrato com a empresa RTS Indústria e Comércio Varejista de Gelos Eireli, que ficará responsável pela gestão do espaço.

O contrato tem validade de um ano e custará R$ 20,1 mil mensais à vencedora da licitação, que também vai participar no pagamento da conta de água e energia elétrica. O Portal Agora Laguna entrou em contato com a SCPar que explicou que a cessão onerosa pode ser prorrogada por mais um ano.

Esse período inicial foi estabelecido para que a vencedora da licitação, lançada em maio e concluída em junho, possa compreender a movimentação do terminal dentro da sazonalidade da atividade pesqueira. A empresa informou que “estudos serão realizados para que no futuro, as próximas cessões tenham uma maior duração, prevendo investimentos e melhorias na produção da fábrica”.

Ainda de acordo com a gestora, a licitação foi feita para “dinamizar e melhorar o atendimento” do porto. “A SCPar Laguna atua como autoridade portuária e faz parte da sua competência a celebração de contratos de concessão das atividade meio do porto. A empresa entende que a cessão do ativo ‘Fabrica de Gelo’ e sua administração por empresas particulares possa dinamizar o empreendimento e melhorar o atendimento aos usuários do terminal pesqueiro”, explicou a assessoria da empresa.

Em abril de 2019, meses antes da estadualização, a fábrica de gelo do terminal foi reativada após ter ficado sem funcionamento por um vazamento do gás amônia (usado no processo de refrigeração). A obra de recuperação e ampliação do espaço custou pouco mais de R$ 1,1 milhão aos cofres do governo federal, que repassou o recurso à Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), antiga gestora da estrutura portuária.

O gelo produzido no terminal de Laguna auxilia no abastecimento das embarcações responsáveis por transportar o pescado para as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país. A estimativa na época era ter capacidade de fabricar 240 toneladas de gelo diárias.

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna