Divulgação

O Senado Federal analisou na tarde/noite desta terça-feira, 23, a Proposta de Emenda à Constituição nº 18, que trata do adiamento das eleições municipais deste ano. A proposta foi aprovada com 67 votos sim, pela aprovação, 8 senadores votaram não e dois se abstiveram.

Com o texto, que ainda precisa passar pela Câmara, os eleitores, este ano, não votam mais em outubro, mas sim nos dias 15 e 29 de novembro  em primeiro e segundo turno.

A proposta é fruto de um entendimento político e sanitário, já que especialistas médicos atuaram no entendimento de que o adiamento das eleições é, neste momento, um assunto de importância para a Saúde.

Na segunda, em uma reunião com o TSE, o presidente do tribunal eleitoral, Luís Roberto Barroso, sugeriu que o início da campanha seja mantido em agosto, mesmo que o dia da votação seja adiado.

O adiamento das eleições têm deixado o mundo político atento, já que ao levantar a discussão aprovada no Senado também se abriu a possibilidade para aqueles que querem adiamento de mandatos. Essa possibilidade, aliás, tem sido vista com ressalvas por operadores do direito e também por políticos mais cautelosos. Isso porque qualquer quebra do funcionamento regular do regime democrático, de forma açodada e sem consenso popular, abriria brechas para situações arbitrárias, além de trazer ainda mais instabilidades políticas, como se já não estivéssemos atravessando um momento já bastante complicado.

As eleições estavam marcadas para 4 e 25 de outubro. Adiamento mantém mandatos até 2020.

Vazamento sigiloso

O deputado Ivan Naatz (PL), relator da CPI, apertou o Controlador-Geral de SC, Luiz Felipe Ferreira, sobre relatório que investiga o caso dos respiradores. Ferreira disse que o relatório ainda não foi concluído. Mas Naatz disse que recebeu mensagem com a decisão da investigação. “Eu recebi mensagem aqui no meu celular de que o relatório já foi concluído na semana passada e indicou responsabilidade de quatro empresas e seis servidores para exoneração, além de dois secretários por crime de responsabilidade”. Ferreira respondeu: “Estão vazando informação sigilosa”.

Servidores e os R$ 600 

O Governo catarinense orientou os servidores públicos a consultarem se que não receberam indevidamente o benefício de R$ 600 do governo federal.  Pelo menos  4.753 servidores do estado receberam. Agora resta saber quantos vão devolver o dinheiro e quantos vão bancar um processo administrativo disciplinar.

Boom em Chapecó

Chapecó já soma mais de 2.500 casos de coronavírus, destes 1.470 com o vírus ativo. Só na BRF foram 1.100 confirmados. Os funcionários foram afastados. Testes realizados em trabalhadores do transporte também elevaram os números na cidade.

Os dados

Um dos motivos por qual Chapecó lidera o número de casos, evidentemente, está ligado ao grande número de testes realizados na agroindústria. Mesmo assim está entre as três com maior número de internações por covid-19. São 70 internados, sendo 21 em UTIs.

Internados por Covid

Joinville: 126

Itajaí: 114

Chapecó: 70

Florianópolis: 69

Criciúma: 63


PELO ESTADO – Reúne informações e entrevistas de relevância estadual. Os conteúdos são publicados em mais de 30 jornais e portais de notícias. O texto desta coluna é de Fábio Bispo e Nícolas Horácio.

As informações e opiniões expressas no texto não representam o pensamento do Portal Agora Laguna.