Foto: DIC / Agora Laguna

A Polícia Civil de Laguna, por intermédio da sua Divisão de Investigação Criminal (DIC), finalizou, nesta quarta-feira, 10, o inquérito policial relacionado a uma possível troca de tiros ocorrida no último dia 31 de maio, na região conhecida como ‘Malvina’, no bairro Portinho, durante a madrugada.

À época dos fatos, o baleado, um homem de 46 anos, foi conduzido ao hospital de Laguna, vítima de um disparo de arma de fogo – a princípio de espingarda -, em suas costas, sendo essa quase a causa de sua morte. Os moradores do local alegaram ter ouvido um possível “tiroteio” nas imediações do bairro.

Iniciadas as investigações policiais, a DIC acabou descobrindo – e mais tarde comprovando -, que, na realidade, naquela madrugada, o baleado teria entrado em uma residência no intuito de realizar um possível furto e ao ser surpreendido pelo morador, que visava proteger o seu patrimônio, teria sido por ele alvejado.

Lesionado pelo disparo recebido e ainda sangrando, o mesmo teria deslocado até o meio da rua Júlio Maurício, sendo lá socorrido por populares. A arma de fogo utilizada (uma espingarda calibre 36) foi apreendida pelos policiais, pois o proprietário não possuía a documentação legal necessária para sua posse. O morador, que visou proteger o seu patrimônio, foi ouvido e prontamente liberado.

O baleado, já conhecido no meio policial, foi indiciado por furto tentado. O responsável pelo disparo, por sua vez, restou indiciado por posse ilegal de arma de fogo, pois não tinha autorização legal de mantê-la em sua residência. De acordo com o delegado Bruno Fernandes, “casos como o presente apenas reforçam a necessidade de obtenção de autorização legal para a manutenção da arma de fogo no interior da residência, especialmente para que, em casos como o presente, o seu titular possa realizar, com tranquilidade, o emprego do referido instrumento nas hipóteses de legítima defesa ou ainda em outras admitidas pela legislação”.