Garagem da Lagunatur no bairro Progresso – Foto: Luis Claudio Abreu/Agora Laguna
 

A decisão do retorno gradual da circulação dos ônibus, eventos e aulas deve mesmo ficar sob responsabilidade de cada município. Foi o que anunciou na manhã desta quarta-feira, 27, em Joinville, no Norte catarinense, o governador Carlos Moisés durante uma reunião entre prefeitos e empresários da região. A informação foi divulgada mais cedo pelo portal G1 SC.

“A partir de segunda-feira, com essa ferramenta epidemiológica, cada região do estado poderá ter uma gestão inclusive dissociada com o todo estadual, ou seja, não é mais um decreto dizendo está proibido o transporte coletivo. Cada região com a ferramenta poderá avaliar e dizer se naquela situação os números do aumento de casos e de óbitos se é seguro voltar o transporte coletivo ou até outras atividades que ainda estão suspensas”, disse.

A intenção é deixar que cada cidade tenha uma decisão de acordo com a sua realidade e que a gestão seja regionalizada, o que envolve diversos fatores no combate à disseminação da pandemia. Em Laguna, uma reunião foi realizada na tarde desta quarta, entre a representante das empresas Lagunatur e Alvorada, detentoras do direito de exploração das linhas urbanas e intermunicipais, respectivamente, e o setor jurídico da prefeitura municipal. Além disso, deve-se aguardar as diretrizes do Estado sobre essa autonomia.

Segundo apurado pela reportagem do Agora Laguna, um protocolo de medidas que devem ser adotadas será elaborado pela empresa ainda essa semana. “Vamos fazer um projeto de retomada com alguns horários, algumas proibições e algumas medidas sanitárias que devemos cumprir”, adiantou a representante das empresas, Cláudia Bonazza.

Mesmo ainda não se falando em uma data específica, algumas medidas já são pensadas, assim que o retorno for definido. Uma delas seria a circulação de apenas metade da frota, com a possibilidade de lotação dos ônibus também de 50%, respeitando o distanciamento entre as poltronas. Uma das ideias é que os grupos de riscos, como os idosos, por exemplo, sejam proibidos de utilizar os serviços nesse primeiro momento. A intenção é dar prioridade aos horários do comércio local.

De acordo com o setor jurídico da prefeitura de Laguna, após esse primeiro contato, as demandas serão levadas ao prefeito Mauro Candemil e ao procurador-geral municipal Antônio dos Reis e nos próximos dias as medidas adotadas serão divulgadas.