Foto: PMA/Agora Laguna

Denúncias anônimas levaram a Polícia Militar Ambiental (PMA) de Laguna a aprender cerca de quatro toneladas de peixes em extinção que estavam em um barco, atracado em um trapiche ao lado da balsa, quando fazia o transbordo para um caminhão. O fato aconteceu perto do meio-dia desta terça-feira, 5, e pode resultar em multa milionária.

Ao Portal Agora Laguna, o capitão Fernando Magoga, comandante da corporação em Laguna, explicou que a quantia apreendida não foi o que mais chamou a atenção da guarnição e sim, as espécies encontradas, que passam por garoupas verdadeiras, bagre branco e cações viola e anjo.

“São vários peixes que estão na lista de extinção e são extremamente protegidos. Por exemplo, o bagre-branco que foi encontrado não pode ser pescado em nenhum momento, já a garoupa, apesar de estar na lista, há um plano de recuperação que permite, mas há requisitos a serem cumpridos”, disse o oficial.

Inicialmente, a PMA havia confirmado que apreensão ocorreu no Porto de Laguna, mas nesta quarta-feira, 6, corrigiu o local da operação.

O pescador, J.A.C., confessou ser dono do pescado. Segundo as primeiras informações colhidas pelas guarnições da corporação, o barco seria procedente da cidade de Passo de Torres, no extremo Sul catarinense.

Entre os peixes, foram localizadas 686 garoupas-verdadeiras. No dia anterior, a PMA já havia apreendido o mesmo pescado em Imbituba e aplicado multa estimada em R$ 200 mil e na ocorrência desta terça, a penalidade pode alcançar até R$ 12 milhões.

O homem irá responder criminalmente e administrativamente pelos crimes. O pescado apreendido foi doado a entidades sociais de Laguna cadastradas na corporação, conforme política adotada pela PMA em Santa Catarina.

Ouça: Comandante Fernando Magoga fala sobre apreensão no Porto


Atualizada às 8h20, de 06/05/2020