Divulgação

Mais quatro bairros de Laguna receberão as salas-móveis para vacinação contra o vírus influenza, que gera as gripes A (H1N1) e B (H3N2), na sexta-feira, 3, segundo informou a prefeitura municipal. O município recebeu novas doses da vacina, confirmando o que havia sido antecipado pelo Portal Agora Laguna na manhã desta quinta-feira, 2.

Em Laguna, a prefeitura montou uma estratégia de aplicar as vacinas ao ar livre e nas residências, mas apenas para os idosos acamados ou com dificuldade de locomoção. De acordo com o cronograma da prefeitura, vão ser vacinados os idosos acima de 60 anos dos bairros:

  • Portinho – das 8h às 12h, na praça, atrás da Central de Informações Turísticas
  • Bananal – das 8h às 11h30, na sub-unidade de saúde
  • Cabeçuda – das 13h às 17h, em frente à igreja católica
  • Campos Verdes – das 8h às 11h e 13h às 16h30, em frente à igreja católica

O problema da falta de vacinas não é exclusivo de Laguna. Em cidades como Capivari de Baixo e Tubarão, o cenário é o mesmo. O desabastecimento do estoque vacinal ocorre porque o Ministério da Saúde antecipou a campanha de vacinação, mas não tem conseguido atender a demanda nacional.

Etapas

  • 1ª fase – a partir de 23 de março: vacinação de idosos com 60 anos ou mais e trabalhadores da saúde;
  • 2ª fase – a partir de 16 de abril: professores, profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais;
  • 3ª fase – a partir de 9 de maio: crianças de seis meses a menores de seis anos de idade, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), indígenas, adolescentes e jovens do sistema socioeducativo, presos, funcionários do sistema prisional e adultos de 55 a 59 anos de idade.

A campanha

A campanha em 2020 foi antecipada como reflexo do avanço do novo coronavírus (Covid-19) no país. Até então, acontecia sempre entre abril e maio. Apesar de adiantada em virtude da doença, a vacina não imuniza contra o vírus e se trata de uma estratégia do governo federal para ajudar no diagnóstico do Covid-19, já que os sintomas das duas doenças são semelhantes.

A ideia, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), é imunizar 2.271.314 pessoas, sendo que a meta é vacinar ao menos 90% de cada grupo-alvo em Santa Catarina.