Divulgação

MINHA OPINIÃO: A população foi e continua sendo massacrada com uma quantidade enorme de informações de todos os tipos e de todos os meios de comunicação. O que ontem foi necessário, hoje pode deixar de ser e amanhã, tanto faz, como tanto fez. Entre opiniões técnicas, políticas, de quem quer tumultuar a ocasião e de leigos, vão se criando novos vírus – talvez pior ainda, esse que o país enfrente nos dias de hoje – os da dúvida e da incerteza.

A maioria já não sabe mais o que é o incorreto e o certo a se fazer, o que devemos e o que teremos, a obrigação daqui para frente. Uma coisa eu tenho certeza, esse momento é crucial. Estamos entre a cruz, a espada e o chicote e qualquer medida equivocada pode ter sérias consequências e mais sérias ainda do que esses 14 dias de isolamento social (recomendado).

Para alguns está tudo normal, mas para outros, o pânico, a incerteza e a dúvida tomam conta de suas famílias e casas. Tenho receio de que daqui para frente possa ser cada um por si e o momento de saúde coletiva possa ser esquecido e desta forma as consequências alertadas possam se tornar realidades. Nesse conjunto, sem sabermos em quem mais acreditar e principalmente o caminho a seguir, faça o que sua consciência determina e lá no final, que possa ter a única certeza que tomou a decisão certa, no momento oportuno. Pessoas estão com medo de pessoas e isso é triste. Como falei, minha opinião.

VAMOS ENFRENTAR de frente esse vírus que assusta o mundo. Governos das esferas federal e estadual estão planejando estratégias para o retorno da economia. A partir da semana que vem, mesmo com receio de que o pior ainda está por vir, pessoas vão começar a deixar o isolamento e retornar as suas atividades. Façamos isso com mais responsabilidade ainda, pois o inimigo é invisível e de fácil transmissão. Para você que pode, continue em casa! É a maneira que temos de colaborar com quem vai para linha de frente nessa luta.

E AGORA, qual será o comportamento dos clientes no meio de tantas informações? E agora qual será a estratégia dos comerciantes e dos outros segmentos para atrair com segurança a presença dos clientes e do consumidor? Nem tudo deve voltar ao normal, o medo a insegurança e a dúvida devem permanecer em muitos e isso só o tempo irá nos mostrar se tudo realmente voltou ao normal.

ALERTA DA SAÚDE: A Secretaria Municipal de Saúde postou de forma oficial um alerta que está aumentando o número de pessoas com sintomas respiratórios e que vem procurando atendimentos nos postos de saúde, centro de triagem e emergência do hospital de Laguna. Por isso, colabore ficando em casa.

ALGUMAS PESSOAS SE DESTACARAM em nosso município nesses primeiros dias de isolamento social que arregaçaram as mangas e foram para luta na linha de frente. Mostraram como deve ser feito esse importante trabalho de orientação, conscientização, solidariedade, coragem, mesmo pondo em risco as suas vidas. Alguns claro, além do isolamento social praticamente fizeram um isolamento total, pouco aparecendo nesse momento crítico. Alguns mostraram suas caras após serem cobrados e outros mesmo assim se mantiveram mudos. Citar nomes não se faz necessário, mas o povão não vai esquecer, assim como vou ter o maior respeito por alguns de hoje em diante.

Divulgação / PM / Agora Laguna

RECONHECIMENTO também a todos que por motivos de trabalho permaneceram em suas atividades nesse momento difícil até agora e assim continuam enfrentando cara a cara o medo de muitos. Para não cometer injustiça, não vou nominar também, mas fica o agradecimento pela coragem e bravura que vinham e vão permanecer enfrentando essa situação.

ELA É A MINHA FILHA e assim descreveu sua rotina ao Diário do Sul: ”A lagunense Camile Matos Palma Martins, de 29 anos, deixa sua casa, marido e filho para vir à Tubarão. São 12h de trabalho com técnica em enfermagem em um hospital particular. Desde o anúncio da pandemia, a profissional de saúde viu sua rotina mudar e carrega consigo, além da disposição de ajudar, o medo. Camile conta que as equipes de saúde se prepararam para o pior. Na unidade, até então, apenas um caso suspeito de Covid-19 passou pela UTI. “Já foi o necessário para termos uma noção de como será nos graves mais graves. Para adentrar no local, para nossa segurança, vestimos vários equipamentos. Ficamos lá dentro o mínimo possível. Mas mesmo assim, não tem como não sentir medo”, fala. Para sair de casa e vir ao trabalho, Camile conta que já separou algumas peças de roupa e um calçado. “Assim que chego em casa, já na garagem, tiro toda a roupa e calçado. Vai tudo para lavar na hora. Não entro com nada dentro da minha residência e o banheiro que uso para tomar banho, ninguém mais entra”, relata a técnica em enfermagem. Sobre a doença, Camile diz que não se trata de uma “gripezinha”. “E por isso, junto com colegas, resolvemos deixar isso bem claro. Imagens de profissionais de saúde com o rosto marcado devido aos equipamentos de proteção são verdadeiros. Nos casos graves, com vários doentes, quem entra na UTI (no caso pessoal da saúde) não sai até finalizar seu plantão. É sério o que estamos vivendo. Por isso, apelamos para que fiquem em casa. Não sabemos o que ainda está por vir”, diz. A lagunense conta ainda que dia desses recebeu um áudio do marido, onde o filho reza a oração do Santo Anjo e pede que a mãe seja protegida no hospital. “Medo, tensão e insegurança também estão fazendo parte dos nossos dias”, fala Camile”.

É TEMPO DE PROTEÇÃO: Reforço o pedido para ficarem em suas casas o maior tempo possível. Saiam somente se for necessário, principalmente os idosos mais vulneráveis ao coronavírus. Muitos vão estar com o vírus apresentando poucos sintomas e vão estar nas ruas, por isso tome cuidado e siga as medidas protetivas para sua e para nossa saúde. #fiqueemcasa


ELVIS PALMA, 55 anos, é formado em administração de empresas, funcionário público estadual, fotógrafo e comentarista do Jornal da Manhã da Rádio Difusora de Laguna.


As informações e opiniões expressas neste texto, são de total responsabilidade do seu autor.