PT-SC quer resgatar protagonismo na eleição de outubro, afirma Décio Lima

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 672 visualizações,  4 views today

Em Laguna, onde participou de uma reunião com os filiados, na segunda-feira, 2, o presidente estadual do PT, Décio Lima, afirmou que vê a eleição de 2020 como o momento do partido recuperar o protagonismo perdido quatro antes, com o impeachment da ex-presidente da República, Dilma Rousseff.

Na entrevista concedida ao Portal Agora Laguna, Lima, que já foi prefeito de Blumenau e deputado federal, avalia que o cenário eleitoral de outubro é “extremamento positivo para o partido”, já que, em sua visão, o povo está refletindo sobre os resultados da eleição de 2018 e das ações do governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

“É uma eleição em que vamos eleger vereadores e prefeitos, mas é uma eleição que traz um debate em torno da defesa da democracia, que impõe a alma democrática do país, e que nós queremos construir. De nossa parte, o PT está empenhado em recuperar a musculatura que foi duramente humilhada a partir do golpe que tirou o PT do poder em 2016”, detalha o presidente petista.

Ao Portal, Lima comentou que se sentia honrado por estar em Laguna e que via no município, pela sua história, uma exemplo de força para o partido. Embora a eleição de outubro seja municipal, ele acredita que a polarização entre Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), solto por uma decisão do STF, também pode influenciar o tom do pleito. “Esses episódios são profundamente ligados aos valores da democracia”, pontua.

Eleição 2022 

Lima foi o candidato do PT ao governo catarinense. Ele chegou a liderar algumas pesquisas de intenção de votos, mas acabou ficando em 4º lugar, atrás de Mauro Mariani (MDB) e Gelson Merísio (hoje, no PSDB). Analisando o cenário quase dois anos depois, o ex-deputado acredita que poderia ter chego no segundo turno e enfrentado Carlos Moisés (PSL).

“Esse processo permitiu, pela primeira vez, o PT liderar as pesquisas até 20 dias antes das eleições e não fosse o tsunami dos acontecimentos e das fake news, provavelmente estaríamos no segundo turno. Isso nos enche de entusiamo para continuar esse processo de construção”, afirma.

A circulação pelo estado que Lima tem feito é uma forma de aglutinar os petistas em torno da legenda e de alimentar a pré-candidatura para a eleição de 2022. Atualmente presidente estadual do partido, o ex-deputado deixa claro que seu nome está à disposição do PT. “Provamos [em 2018] que não somos só um partido, nós somos uma causa”, frisa.