Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna
 

O Governo de Santa Catarina anunciou o plano estratégico criado pela equipe econômica para a retoma gradual das atividades comerciais no Estado após quase duas semanas de portas fechadas para a maior parte dos empreendimentos em solo catarinense. O anúncio foi feito em entrevista coletiva (veja adiante) na noite desta quinta-feira, 26, em Florianópolis, durante a atualização diária sobre o panorama do novo coronavírus (Sars-CoV-2) em Santa Catarina.

Carlos Moisés (PSL) afirmou que a abertura dos comércios e outras atividades não essenciais – até a decisão, apenas serviços autorizados por decreto podiam continuar funcionando – vai ocorrer de modo gradativo garantindo preservação à saúde da população. O governador frisou na entrevista que a orientação de que as pessoas fiquem em suas casas está mantida.

A estratégia do governo é para que aos poucos voltem a funcionar os serviços em uma escalada que deve durar ao menos até a segunda semana de abril. Eventos que atraiam grande público, como missas ou reuniões seguem suspensos e as aulas permanecem canceladas até dia 17 de abril. Desde quarta-feira, 25, vigora o decreto estadual 525/2020 que atualizou o texto emitido uma semana antes.

Moisés: “Precisamos promover a convivência dos catarinenses com a pandemia da Covid-19”. Foto: Maurício Vieira/Secom Governo SC

“Precisamos promover a convivência dos catarinenses com a pandemia da Covid-19, conciliando as vertentes do convívio social, da preservação da vida das pessoas e da atividade econômica. Isso quer dizer que nós pesamos as duas coisas e estamos fazendo gradativamente um plano para que as pessoas possam voltar ao convívio de forma segura. Esse é o grande objetivo”, argumentou Moisés.

A decisão é comemorada por entidades de classe em Laguna. “Isso é muito bom, pois as atividades já começam a ter uma conação a partir do dia 1º de abril e vai girar a economia novamente. Acredito que estes 14 dias foram suportáveis para o comerciante”, avalia o presidente do SindiLojas, Natanael Wisintainer.

Veja o que muda em Santa Catarina

Voltam a funcionar a partir de segunda-feira, 30 de março

  • Agências bancárias, correspondentes bancários, lotéricas e cooperativas de crédito para atender exclusivamente pessoas que necessitem de serviços bancários presenciais.

Voltam a funcionar a partir de quarta-feira, 1º de abril

  • Atividades e os serviços privados não essenciais, como academias, shopping centers, bares, restaurantes e comércio em geral;
  • Atividades do setor hoteleiro;
  • Atividades de construção civil;
  • Escritórios de prestação de serviços em geral;
  • Centros de distribuição e depósitos.
  • Profissionais autônomos, domésticos e serviços prestados por profissionais liberais.

Permanecem suspensos

  • Transporte coletivo – por mais sete dias, a contar de 1º de abril. Decisão vale para a circulação de veículos de transporte urbano municipal e intermunicipal de passageiros, além da circulação e do ingresso no território catarinense dos veículos de transporte interestadual e internacional de passageiros, público ou privado. A decisão também vale para veículos de fretamento para o transporte de pessoas.
  • Aulas na rede de ensino – até 17 de abril.

Regras para retorno

Segundo o governo catarinense, para retornar as empresas precisam seguir normas:

  1. Para estabelecimentos com permissão de atendimento ao público e entrada de pessoas:
    a) limitação de entrada de pessoas em 50% (cinquenta por cento) da capacidade de público do estabelecimento, podendo este estabelecer regras mais restritivas;
    b) controle de acesso e marcação de lugares reservados aos clientes, bem como o controle da área externa do estabelecimento, respeitadas as boas práticas e a distância mínima de 1,5 m entre cada pessoa.
  2. priorização do afastamento, sem prejuízo de salários, de empregados pertencentes a grupo de risco, tais como pessoas com idade acima de 60 anos, hipertensos, diabéticos e gestantes;
  3. priorização de trabalho remoto para os setores administrativos;
  4. adoção de medidas internas, especialmente aquelas relacionadas à saúde no trabalho, necessárias para evitar a transmissão do coronavírus no ambiente de trabalho e no atendimento ao público;
  5. utilização de veículos de fretamento para transporte de trabalhadores, ficando a ocupação de cada veículo limitada a 50% da capacidade de passageiros sentados;

Reveja a coletiva de imprensa do governo do Estado