Editoria de Arte

Os lagunenses vão às urnas em outubro deste ano para eleger o prefeito da cidade. O registro das candidaturas acontece meses antes, em agosto, mas os partidos já têm se movimentado em torno de alguns nomes para disputar o mais alto posto da administração municipal.

Mais de dez nomes são oficialmente pré-candidatos declarados ao cargo de prefeito. Alguns partidos têm sinais de que terão disputas internas para a definição, como é o caso do PSD, que tem dois nomes e o PSDB, que surge na relação com filiados que ainda estudam a possibilidade. PT e MDB que figuraram com vários nomes em janeiro, hoje têm pré-candidatos já definidos.

O Progressistas aparece na lista com dois nomes. Mas se sabe que os filiados citados irão trocar de partido durante a janela de transferência, que encerra em abril – período que não pune o filiado por infidelidade partidária.

Paralelo a isso, há quem coloque seu nome à disposição do partido, porém não é oficialmente pré-candidato, ficando como uma opção caso o candidato principal tenha algum impedimento. Outros casos são daqueles que já abriram mão de concorrer à cadeira maior do Executivo municipal.

Portal Agora Laguna apresenta essa relação – que pode sofrer alterações – e traz um resumo do xadrez político da cidade juliana com os nomes mapeados até o momento pela reportagem. A organização da lista leva em consideração a ordem alfabética.

Pré-candidatos à prefeitura, declarados

Evandro dos Passos Farias (Cidadania)

Foto: Fábio Queiroz/Agência AL

Evandro Farias é policial militar desde 2003, atuante no 28º Batalhão de Polícia Militar, onde gerencia o programa de Rede de Vizinhos e Estudante Cidadão. Tem formação em Engenharia de Pesca e especialização em Gestão e Planejamento de Cidades.

Nunca disputou uma eleição. Deve ingressar no Cidadania (antigo PPS) para se candidatar à prefeitura. Seu nome chegou a ser cogitado no PRTB, que buscava um nome junto à área da segurança, e até o fim de fevereiro era pré-candidato do PL (antigo PR), mas foi preterido pela executiva, que optou pelo nome de Sibele Estevão.

Farias afirma, no entanto, que continua tendo apoio do senador catarinense Jorginho Mello, presidente estadual do PL.

Gilberto Sousa (PSC)

Reprodução/Facebook

Carcinicultor, Gilberto Sousa é pai de quatro filhos e cursa gestão pública atualmente. É vice-presidente da Associação Catarinense de Carcinicultores (Acaq). Chegou a ser comodoro do Iate Clube, no começo da década de 2000.

Foi filiado ao PSL até 2018 e ingressou no PSC em outubro de 2019, se tornando presidente da sigla e pré-candidato a prefeito.

Júlio Willemann (PSD)

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Atualmente, Júlio Willemann é o vice-prefeito da cidade de Laguna. Disputou uma eleição pela primeira vez em 1996, concorrendo ao cargo de prefeito pelo PT. Nos dois pleitos seguintes, pelo mesmo partido, se elegeu vereador em 2000 e 2004, chegando a ser presidente do Legislativo.

Ingressou no PDT em 2008 e concorreu à prefeitura naquele ano, sem sucesso. Foi eleito vice-prefeito na chapa de Mauro Candemil, pelo PSD, em 2016. Willemann é advogado e tem escritório na cidade.

Mauro Candemil (MDB)

Engenheiro eletricista com atuação pela região Sul catarinense no setor público e privada, Candemil é considerado pré-candidato natural à reeleição pelo MDB, partido que é filiado desde a década de 1970.

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Disputou apenas três eleições municipais: em 1996 e 2008, não sendo eleito, e em 2016 conquistou a cadeira do Executivo. Em 1990 e 1994 foi candidato a deputado estadual e ficou na suplência, chegando a assumir na Alesc por algumas oportunidades.

Ocupou o cargo de secretário regional na extinta ADR de Laguna por duas oportunidades entre 2006 e 2016. A pré-candidatura de Candemil é apoiada pelo deputado federal Celso Maldaner, presidente do MDB em Santa Catarina.

Patrik Paulino (PSD)

Arquivo Pessoal

Patrik Paulino tem 31 anos, casado e pai de um filha. É formado em Administração e possui capacitação em cursos de liderança, gestão estratégica e finanças. Foi líder estudantil e diretor da extinta Associação Lagunense dos Estudantes Universitários (Aleu).

Trabalha há 13 anos nas empresas da família. Empresário, foi diretor do Sindilojas e chegou a ser presidente da Associação Empresarial de Laguna (Acil), onde atualmente coordena o Núcleo de Jovens Empresários da cidade.

Patrik é filho do vereador Adilson Paulino (PSD) e irmão da secretária de Pesca e Agricultura de Laguna, Patrícia Paulino. Assumiu em 2019 a presidência do diretório municipal do PSD em Laguna.

Pedro Paulo (Solidariedade)

Foto: Prefeitura de Capivari de Baixo/Arquivo

Natural de Tubarão, Pedro Paulo, é empresário e atua no ramo da construção civil. Abriu a primeira empresa em Laguna, no ano de 1994, sucedida pela segunda em 1997.

Pedro tem afirmado desde 2019 que é pré-candidato a prefeito e teve seu nome confirmado pela executiva estadual do Solidariedade em reunião realizada na cidade no dia 7 de março. Essa será a primeira eleição que ele disputará, se confirmada a candidatura.

Peterson Crippa (PP)

Jornalista, Peterson Crippa disputou duas eleições antes de ser eleito: 2008 (a vereador pelo antigo PRB) e 2012 (para o mesmo cargo, pelo PP). Conseguiu se eleger em 2016 pelo atual Progressistas, mas antes tinha assumido na condição de suplente por algumas oportunidades a cadeira de vereador.

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Foi secretário-adjunto de Turismo e Lazer entre 2009 e 2010 no segundo mandato de Célio Antônio (PT) e de Planejamento, Urbanismo e Habitação entre 2013 e 2014, no governo de Everaldo dos Santos. Como empresário, foi um dos fundadores do Núcleo Jovem Empreendedor da Acil e um dos reativadores da Associação de Hotéis do Mar Grosso.

Apesar de ser filiado ao Progressistas, Crippa aceitou o convite feito pelo ex-deputado João Paulo Kleinünbing, presidente estadual do Democratas (DEM), e vai ingressar no partido durante a janela partidária para ser candidato da sigla na eleição de outubro. O vereador alegou falta de espaço no PP para deixar a legenda. A migração deve ocorrer nas primeiras semanas de março.

Roger Costa da Silva (PDT)

Roger Costa da Silva, 37 anos, é médico e enfermeiro. Atuou por três anos na Capitania dos Portos e também no hospital de caridade de Laguna, fazendo parte também da rede pública de saúde, atuando na unidade básica de Cabeçuda.

Foto: Ronaldo Amboni

Silva foi médico do atendimento básico de municípios como Grão-Pará, São Ludgero e Capivari de Baixo, na região da Amurel. Ingressou na política a partir da refundação do PDT em 2015, sua primeira filiação.

Foi candidato a vice-prefeito pelo partido em 2016 na chapa de Tanara Cidade (PT), ficando em terceiro lugar. Seu nome está à disposição da sigla desde 2017 e conta com o apoio do deputado estadual Rodrigo Minotto, que é o presidente pedetista em Santa Catarina.

Ronaldo Mariano Chaves (PMN)

Arquivo pessoal/Ronaldo Mariano Chaves

Natural de Pelotas (RS), Ronaldo Mariano Chaves tem 57 anos e há quase 30 anos é morador de Laguna. É formado em Química Industrial, cursada na Universidade Federal de Santa Maria e chegou a trabalhar, no estado natal, na estatal Petrobrás e no Pólo Petroquímico do Sul, em Triunfo e em Canoas.

Disputou a primeira eleição em 2012 (pelo PHS) e a segunda em 2016 (pelo PMN), em ambas concorreu para prefeito, mas não conseguiu se eleito – no pleito de quatro anos atrás teve a candidatura cassada e os votos anulados. Já foi filiado ao PSDB. Atualmente, é comerciante na área de habitação.

Samir Ahmad (PP)

Samir Ahmad, 53 anos, é natural da cidade de Lauro Muller e reside em Laguna desde a década de 1990. Empresário do ramo de cama, mesa, banho e vestuário, foi presidente da Acil e atualmente é vice-presidente da CDL e do SindiLojas, além de ser administrador da Rádio Difusora.

Foto: Bruno Collaço/Agência AL

É formado em Marketing. Entrou para o meio político em 2016, concorrendo pela primeira vez em uma eleição municipal pelo PP, ficando em segundo lugar na disputa pela prefeitura da cidade.

Hoje, é presidente da comissão provisória do Progressistas e está com seu nome a disposição do PSL, partido do governador Carlos Moisés, que endossa a pré-candidatura do empresário. Ahmad deve assinar a ficha de filiação na legenda pesselista em abril, segundo apurou a reportagem.

Sibele Estevão (PL)

Arquivo pessoal

Formada em Contabilidade, a ex-presidente da Igreja União em Cristo, Sibele Estevão, foi escolhida como pré-candidata do PL (antigo PR) à prefeitura, com o nome sendo apresentado em encontro da nova executiva no dia 9 de março.

Sibele é casada com o deputado estadual Felipe Estevão (PSL) e teve seu nome posto em evidência pelo esposo em meados de 2019, quando houve o primeiro ensaio de uma pré-candidatura. Ela atuou na coordenação da campanha do marido na eleição de 2018. Se o nome for confirmado na convenção, será a primeira eleição que disputará.

Tanara Cidade de Souza (PT)

Formada em Direito, Tanara Cidade de Souza foi presidente da Fundação Irmã Vera nos primeiros anos do governo Célio Antônio (2005-2012) e assumiu, na mesma gestão, as secretarias da Saúde e de Assistência Social.

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna/Arquivo

Chegou a ser nomeada presidente da Fundação Municipal de Saúde de Tubarão, no governo de Olávio Falchetti (2013-2016) e permaneceu no cargo entre 2014 e 2016. Recentemente, assumiu a Secretaria de Assistência Social e Habitação, da gestão de Mauro Candemil, ficando alguns meses na função, sendo exonerada em meio à uma polêmica nas redes sociais causada por uma postagem.

Na política, Tanara Cidade concorreu pela primeira vez ao Legislativo em 2004 e não foi eleita. Em 2008, conquistou a cadeira na Câmara, mas só assumiu a função em 2012, depois de deixar o comando da Saúde municipal. Disputou a majoritária como candidata a prefeita em 2012 e em 2016, mas não conseguiu se eleger. Seu nome foi a indicação informada pela executiva municipal do PT.

Possíveis pré-candidatos

Giocondo Tasso (MDB)

Ex-gerente regional da Celesc em Tubarão, Giocondo Tasso se apresentou pré-candidato em uma matéria publicada em 2019, pelo extinto jornal Tribuna Sulina, da cidade azul. Tasso é filiado ao MDB desde 1987.

Divulgação/Rádio Super Santa – Tubarão

Até o momento, sua única experiência em disputas eleitorais foi em 2008, quando saiu candidato a vereador pelo PMDB, mas não teve sucesso. Procurado pelo Portal, Tasso confirmou que tinha colocado seu nome como pré-candidato do MDB em virtude da conjuntura interna do partido naquele começo de ano.

Atualmente, o ex-suplente de vereador diz que seu nome segue à disposição caso haja necessidade, mas que neste momento, não é mais pré-candidato pelo partido.

Jefer Francisco Fernandes (Sem partido)

Comandante da 8ª Região Policial Militar em Tubarão e ex-comandante do Batalhão de Polícia Militar de Laguna, o coronel Jefer Francisco Fernandes tem 51 anos e tem sido cogitado como um possível pré-candidato à prefeito nas eleições de 2020.

Fernandes foi comandante da Polícia Militar Ambiental de Laguna por sete anos entre 2007 e 2014, antes de assumir a PM. Também chefiou a corporação de Capivari de Baixo e é professor de algumas disciplinas no Curso de Formação de Soldados na região policial de Tubarão. Está na polícia há mais de três décadas.

Divulgação/PM-SC

Seu nome foi mencionado pelo deputado estadual Felipe Estevão (PSL), em uma entrevista à Rádio Difusora, em maio de 2019, onde afirmou que abria as portas do partido para abrigar o militar.

Procurado pela reportagem, o ex-comandante da PM de Laguna disse que não tem filiação política, por ser policial na ativa e que estuda a possibilidade de uma candidatura. “Realmente, existe uma grande manifestação popular que cogita o meu nome como candidato a prefeito, é fato. Mas não decidi nada sobre o assunto”, afirma.

Marcos Farias Ferreira (PSDB)

Arquivo pessoal

Empresário do ramo de bar e restaurante e ex-servidor público na Alesc, o lagunense Marcos Ferreira colocou seu nome à disposição do PSDB para a disposição da eleição municipal de outubro. Reuniões ainda são feitas para a evolução de fato dessa intenção, segundo Ferreira, que se define como possível pré-candidato.

O tucano foi jogador e presidente do extinto Laguna Esporte Clube (gestão 1993-94) e secretário de Turismo na gestão de Jorge Tadeu Zanini (1995-1996). Chegou a se eleger vereador em 1992, pelo antigo PFL.

Foi candidato em 1996 (PFL) e ficou como suplente. A última tentativa de voltar à Câmara foi em 2012, já no PSDB, mas não foi eleito.

Sandro Matias da Cunha (PSDB)

Foto: Prefeitura de Pescaria Brava/Arquivo

Atual secretário tucano em Laguna, o advogado Sandro Matias da Cunha, 49, apresentou seu nome à disposição do PSDB como um possível pré-candidato à prefeito e aguarda definição.

Ele foi candidato a vereador em duas oportunidades. Pelo antigo PPB em 1996 e pelo PSDB em 2000, não sendo eleito em ambas.

Foi gerente regional de Educação na extinta 19ª SDR de Laguna e secretário de Educação, Cultura e Esporte de Pescaria Brava por dois anos, na gestão Antônio Honorato (2013-2016). Cunha é professor de Matemática e hoje leciona no IFSC, em Tubarão.

O educador explicou ao Portal que uma possível pré-candidatura depende da definição do partido, que deve acontecer após o Carnaval deste ano.

Dizem que não serão candidatos e/ou abriram mão da disputa

Antônio Estevão (PSL)

Antônio Estevão é pastor evangélico e pescador, radicado no bairro Vila Vitória. Se filiou ao PSL em 2018, junto com seu filho Felipe, eleito deputado estadual na eleição geral passada.

Foto: Arquivo pessoal

Foi nomeado presidente provisório da sigla em Laguna, mas perdeu o posto por decisão da Executiva em Santa Catarina, que dissolveu todos os diretórios municipais.

Antônio foi apontado como pré-candidato do PSL em evento realizado em junho de 2019, mas seu nome perdeu força com a aproximação do empresário Samir Ahmad e o governador Carlos Moisés (PSL). Por telefone, confirmou ao Portal que sua pré-candidatura não é mais existente.

Antônio Laureano (MDB)

Antônio César da Silva Laureano concorreu pela primeira vez a vereador em 2000, pelo PMDB, mas não foi eleito. Pelo mesmo partido, disputou a eleição para o Legislativo em 2004 e 2008 e conseguiu se eleger.

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Tentou concorrer para prefeito em 2012, pelo Democratas, mas teve a candidatura indeferida pela Justiça. Voltou ao então PMDB em 2016 e se elegeu para o terceiro mandato como vereador, porém não conseguiu concluir. Laureano foi detido pela polícia por cerca de um ano pela Operação Seival que apurou esquema de corrupção em Laguna e teve o mandato cassado pela Câmara de Vereadores em outubro de 2018.

Em 2019, já em liberdade, anunciou uma pré-candidatura pelo MDB, mas recuou dias depois em entrevista ao programa Senadinho da Difusora, transmitido pela Rádio Difusora de Laguna e pelo Portal Agora Laguna. Laureano foi ainda o primeiro secretário de Pesca e Agricultura da gestão Candemil ficando alguns meses no cargo, em 2017, e líder de Governo no Legislativo lagunense, até sua licença para assumir a pasta.

Por sua vez, a possibilidade de uma eventual candidatura de Laureano pode esbarrar em problemas judiciais em virtude da cassação sofrida no Legislativo. Além de ter perdido o mandato, o emedebista teve os direitos políticos suspensos.

Célio Antônio (PT)

Formado em Educação Física e funcionário público na Alesc, Célio Antônio, 53 anos, entrou para a política na década de 1980 militando no PCdoB, migrando depois para o PT, partido do qual chegou a ser presidente municipal por algumas oportunidades.

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Em 1992, disputou a primeira eleição para vereador ficando na suplência, assim como no ano de 1996. Concorreu para deputado estadual nas eleições gerais de 1998 e 2002, não conseguindo se eleger.

Antônio conseguiu se eleger vereador em 2000 e em 2004 venceu a eleição para prefeito, se tornando o primeiro chefe do Executivo a se reeleger em 2008. Seu nome foi cotado como pré-candidato a prefeito, mas fontes da reportagem junto ao PT apontaram que Antônio ensaia uma volta ao Legislativo.

Cleosmar Fernandes (MDB)

Cleosmar Fernandes é vereador e presidente da Câmara de Vereadores de Laguna desde 2016. Foi eleito pela primeira vez para o cargo em 2008, pelo então PMDB. Dois anos depois ingressou no antigo PR e concorreu para deputado estadual (2010) e à vereador em Pescaria Brava (2012), sem sucesso.

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Trabalhador portuário com atuação no terminal estadualizado de Imbituba, Fernandes é empresário e tem formação em Administração de Empresas e graduação na área de Marketing.

Procurado pelo Portal Agora Laguna, o vereador disse que seu nome não está mais a disposição do MDB, e que atualmente seu foco está na pré-candidatura à reeleição para o Legislativo. Fernandes diz, no entanto, que a possibilidade não está afastada por completo.

Nauro Martins Pinho (PT)

Divulgação/PT Laguna

Ex-servidor público lotado do INSS, Nauro Martins Pinho foi um dos fundadores do diretório municipal do PT na década de 1980 e concorreu como vereador em uma das primeiras eleições do partido em 1988, não sendo eleito. Em 1992, disputou à majoritária para vice-prefeito, sem sucesso.

Nos dois mandatos de Célio Antônio (PT) geriu a pasta de Administração, Finanças e Serviços Públicos e quando esta foi desmembrada em duas, ficou com a Secretaria de Finanças. Seu nome foi informado pela executiva municipal do PT, mas a pré-candidatura foi retirada, segundo Pinho, por razões pessoais.

Renato Borges (Sem partido)

Servidor público na Câmara, Renato Borges, 67, foi eleito vereador apenas uma vez em 1996, pelo PMDB. Disputou em 1988 e 1992, pelo antigo PFL; 2000, pelo PDT; e 2004 e 2012, pelo PMDB, sem conseguir se eleger legislador nesses pleitos, mas assumiu na condição de suplente. Em 2016, ficou em quarto lugar na eleição para prefeito, concorrendo pelo PSC.

Divulgação/PSC Laguna

Chegou a ser assessor especial de gabinete nas gestões de Adílcio Cadorin (2000-2004) e Everaldo dos Santos (2013-2016). Hoje, Borges está sem partido desde que pediu desfiliação do PSC, em meados de 2019.

Para o Portal Agora Laguna, disse que tem mantido conversas para as eleições 2020, mas que nesse momento não se coloca como pré-candidato a prefeito. O ex-vereador pontuou que ensaia uma possível candidatura para o Legislativo ou para vice-prefeitura.

Renato de Oliveira (MDB)

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Renato de Oliveira é desde 2018 secretário de Obras e Transportes de Laguna. Ele já ocupou este mesmo cargo por outras quatro gestões. Em 1992, foi candidato pelo então PMDB a vereador, mas não conseguiu se eleger.

Colocou seu nome a disposição do MDB para as eleições municipais de 2020 no ano passado e tinha confirmando a todos os veículos de imprensa da cidade a pré-candidatura, prometendo disputar internamente a indicação para a majoritária.

Em fevereiro deste ano, porém, voltou atrás e abriu mão do projeto, incluindo uma possível pré-candidatura à vereança. Oliveira diz que pretende seguir com o trabalho desempenhado na pasta de Obras e Transportes.

Sidnei Silva (PP)

Jornalista formado em Comunicação Institucional, Sidnei Silva, 39, se lançou pré-candidato a prefeito em um programa de rádio e reafirmou a intenção em publicações feitas em seu perfil em uma rede social.

Arquivo pessoal/Sidnei Silva

Silva tem atuação em emissoras de rádio da cidade e teve passagem pela UnisulTV (Tubarão). Foi assessor de comunicação na Câmara de Vereadores de Laguna.

Quase dois meses após ter lançado sua pré-candidatura, o radialista optou por não seguir em frente com o projeto por motivos particulares. Ele tem filiação no Progressistas e pretendia deixar a sigla em abril para buscar outra que lhe abrigasse.


Matéria publicada originalmente em 15/01/2020. Última atualização: 12/03/2020.