Polícia Civil de Laguna desarticula, no RJ, criminosos que faziam ‘falso sequestro’; ouça áudios

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 224 visualizações,  4 views today

A Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Laguna informou nesta quinta-feira, 20, que concluiu a investigação sobre crimes de falso sequestro, gerados a partir de uma penitenciária na Baixada Fluminense, no estado do Rio de Janeiro. Os trabalhos são resultados da Operação Japeri, que apurou crimes de extorsão praticados contra residentes em Laguna e região.

Os policiais civis da DIC passaram a investigar o caso em dezembro do ano passado, após um morador de Laguna ter feito depósito de cerca de R$ 8 mil aos criminosos. Eles simularam o sequestro da filha da vítima e diziam que a matariam se não fosse feito o pagamento do resgate.

“Os golpes sempre foram aplicados da mesma forma e não ficaram restritos à Laguna e à região Sul”, acrescenta o delegado Bruno Fernandes, da DIC de Laguna, que coordenou a operação.

As linhas de investigação apontaram para dois homens detidos na penitenciária Milton Dias Moreira, em Japeri (RJ), que, de dentro da prisão, aplicaram os golpes a partir do dia 5 de dezembro do último ano.

Segundo a DIC, no período investigado foi descoberto que a penitenciária funcionava como um “call center”, já que não só a dupla, mas outros detentos também praticavam os mesmos golpes narrados.

Nesta quinta-feira, 20, com auxílio da Administração Prisional (Seap) do Rio, foram cumpridos os mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça de Laguna contra os investigados. Por já estarem presos, será adicionado à operação a revista nas celas em busca de possíveis drogas, armas brancas, e aparelhos celulares.

“Agora visamos a recuperação dos valores que foram depositados pelas vítimas nesse tempo em que durou a investigação. Durante os trabalhos, diversas outras vítimas, ao longo do Brasil, caíram na mesma modalidade criminosa. A título de exemplo foi identificada uma vítima, senhor de idade, que depositou R$ 2 mil, no estado do Paraná”, acrescenta Fernandes.

Gravações

Nos áudios liberados com autorização da Justiça à imprensa, uma voz de mulher chorando se apresenta como filha da vítima e diz ter sido roubada e forçada a entrar em um carro. Na sequência, um assaltante interrompe a conversa e diz que irá matar a mulher se não houver resgate. Ouça:

Notícias relacionadas