Foto: Marco Bocão

Em reunião realizada no começo da tarde desta segunda-feira, 3, na sala de licitações da prefeitura de Laguna, foram abertas as propostas das empresas interessadas em fornecer equipamentos de sonorização, iluminação e trio-elétrico para os eventos carnavalescos organizados pelo poder público municipal.

O certame contou com a apenas dois concorrentes: empresa Anjo Som (Laguna) e Matusa (Criciúma) e foi realizado em dois lotes: Farol de Santa Marta e Mar Grosso.

Segundo o pregoeiro Waldomiro Netto, a licitante de Criciúma apresentou proposta global de R$ 23,7 mil para três dias de fornecimento de equipamentos no Farol de Santa Marta. Já a participante de Laguna, apresentou valor diário de R$ 30 mil para fornecer os mesmos itens para o lote do Mar Grosso, que tem seis dias de apresentação. Conforme o site da municipalidade, o valor global do pregão foi orçado em R$ 184 mil.

Caso seja homologado a decisão, a Anjo Som deve disponibilizar os trios Treme Terra e Papão, referências na região para esse tipo de evento.

Ambas as empresas são consideradas vencedoras do certame, já que o processo ocorreu em dois lotes. No entanto, conforme Netto explicou à reportagem do Portal Agora Laguna ao fim da sessão de abertura das propostas, a contratação da empresa de Laguna depende do aval do prefeito Mauro Candemil (MDB), por ter ficado acima do que foi pensado pela prefeitura. A decisão deve ser divulgada em breve.

“As pessoas [empresários] que vieram são idôneas, a gente conhece. Isso nos deixa tranquilo para não ter aquele desgaste de ir atrás, de buscar, se incomodar”, avalia o secretário de Turismo e Lazer, Evandro Flora, que acompanhou parte do encontro.

Últimas licitações geraram polêmica e críticas

A licitação mais recente do gênero, realizada no início de dezembro para os eventos da virada de ano teve momentos de tensão quando dois fornecedores tiveram um princípio de discussão em que um deles teria sido agredido. Das três empresas concorrentes, uma foi desqualificada e a segunda colocada declarada vencedora.

Esta apresentou um trio elétrico diferente do credenciado para licitação, conforme apontou vistoria feita pela Secretaria de Turismo e Lazer. O equipamento chegou a ser usado em uma noite, mas provocou críticas do público quanto à qualidade técnica. A empresa foi multada e o trio, desclassificado com a terceira colocada no certame sendo chamada emergencialmente e uma estrutura de palco sendo contratada com urgência.

No Carnaval de 2019, uma situação semelhante aconteceu. O trio elétrico contratado foi reprovado por não ter sido possível fazer a vistoria técnica – nesta licitação também foi contratada a segunda colocada. O equipamento chegou à cidade com duas horas de atraso, o que prejudicou a realização com qualidade dos concursos da Pracinha (musa, boneca e marchinhas).

Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna