Divulgação

O prédio histórico e imponente do Palacete Polidoro Santiago, localizado no bairro Magalhães, será palco de um belíssimo espetáculo de Natal, na próxima segunda-feira, 23.

Atualmente administrado pela Associação das Irmãs Beneditinas da Divina Providência, que também coordena o Asilo Santa Isabel, passou por reforma recentemente e vai receber os cantores lagunenses João Rodrigues Júnior, Teresinha Flor, Gero Perito, Henrique Soares, Charles Silveira, Diego Rezende, Neusa Preuss, Venere e com poesia de Jairo Barcelos, a partir das 20h.

O show será apresentado das janelas do prédio e os visitantes podem levar 1 quilo de alimento não perecível.

No início do ano, a prefeitura de Laguna informou que pretende transformar o Palacete Polídoro Santiago, que hoje está em desuso num centro de convivência para idosos, com atividades de lazer e espaços de reabilitação.

O espaço que serviria para atender idosos no período diurno, também possibilitaria que o asilo pudesse usufruir da estrutura e dos profissionais, fortalecendo assim o trabalho desenvolvido pela associação.

Em 2010, passou por uma revitalização onde foram contemplados os serviços de confecção de projetos complementares, limpeza geral do prédio, consolidação das paredes, restauração da cobertura e esquadrias.

História

O Palacete foi construído em 1904 pelo primeiro administrador do porto de Laguna, o engenheiro Polidoro Santiago, nome dado, mais tarde, à casa feita por ele.

Construído em estilo eclético, seguindo a corrente Belle Epóque, possui um valor arquitetônico singular para o acervo histórico da cidade. O prédio é Patrimônio Histórico tombado pelo município. Suas paredes foram erguidas com barro e óleo de baleia.

No ano de 1934, o exército ocupou o palacete para servir de ponto estratégico de vigilância. O Brasil estava passando por revoluções.

Anos depois, serviu de sede para clubes de futebol amador do município. Na década de 80 foi doado para o asilo Santa Isabel.

Sustentabilidade no início da década de 1910

Na época que foi construído, o prédio era exemplo de sustentabilidade, armazenava a água da chuva para a manutenção da casa. Com a revitalização, a técnica será preservada agora, com aquecedor solar.

Um caixa de vidro foi erguida como conexão entre o departamento de hidromassagem aos demais setores.

A cor azul e branca, muita utilizada na época, ressurgiu nas paredes. São 450 metros quadrados, com mais de 22 janelas, outras tantas de pequenas aberturas e portas. Uma forma de ventilar a casa, nos dias quentes e deixar a brisa da lagoa Santo Antônio, que na época poderia ser apreciada da varanda.

As histórias trazem a imagem de uma carruagem chegando no centro histórico para buscar os convidados. As festas na sala do antigo casarão eram atração no bairro Magalhães. Muitos ficavam na praça para apreciar quem chegava.

No meio da casa, uma escada de madeira em formato de caracol foi construída no período da segunda guerra mundial. Como base militar do exército brasileiro, a escada levava os soldados de sentinela até uma pequena janela do telhado, onde vigiam o cotidiano dos moradores e o vai e vem dos barcos no porto, em busca de inimigos.