Divulgação

Acusado de agredir sua ex-companheira na manhã deste sábado, 14, onde segundo a Polícia Militar (PM), o denunciado, teria pulado o muro da casa da vítima, na Vila Vitória e invadido o local, fez contato com a reportagem do Portal Agora Laguna para dar sua versão.

“Não justifica o erro que fiz, mas eu agi de cabeça quente, porque estávamos conversando para voltar com o relacionamento, visto que na quinta-feira iríamos sair. Em seguida ela mandou uma mensagem dizendo que não ia dar mais para sair, porque não tinha com quem deixar a filha”, disse o homem, 36 anos.

Segundo o ele, uma nova conversa estava marcada para o dia seguinte, o que também não ocorreu. No sábado, 14, ele foi até o cunhado pegar uma ferramenta e passando pela residência da ex-companheira, viu um carro diferente próximo da casa. “Eu quis tirar a limpo, ver para ter certeza. Fiz errado em pular o muro, já que estávamos separado e bati na janela. Foi quando um homem respondeu e bati no vidro para ela abrir. Eu queria ver para ter certeza”.

O homem que ainda tinha esperanças em reatar o relacionamento, disse que ouvia os dois conversarem dentro da casa. “Foi onde eu comecei a perder a cabeça. Como a janela é de alumínio, eu tirei uma folha e bati no vidro, foi aí que ela me atendeu e disse para eu ir embora. Dei um soco no vidro e machucou meu braço, saindo muito sangue. Ela acabou abrindo a porta e eu entrei”.

Já dentro de casa, segundo relatos do homem, ela afirmou não ter ninguém em casa. De acordo com ele, em um dos quartos acabou encontrando um conhecido seu, colega de academia. “Eu tentei agarrar o cara e ela se meteu. Acabei empurrando ela e ela caiu. Fui atrás dele e não consegui, pois acabou pulando o muro. Depois retornei e acabei falando algumas coisas e empurrei ela novamente. Não me lembro, porque estava de cabeça quente, talvez tenha até batido nela, mas não para machucar, do tipo que o pessoal está comentando que espanquei ela. Não foi nada disso. Talvez pelo vidro que estava espalhado pela casa, ela tenha se cortado, mas eu não cortei ela”.

Por telefone, ele afirmou que o relacionamento era marcado por idas e vindas. Em quase três anos, foram sete términos, a maioria das vezes por ciúmes. Ele foi atendido no Hospital de Caridade Senhor Bom Jesus dos Passos, por conta dos ferimentos na mão, onde segue internado por conta da gravidade. Ele deve dar depoimento na delegacia de polícia na próxima terça-feira, 17.

O caso

Conforme a Polícia Militar (PM) informou, o homem pulou o muro da casa da vítima e invadiu a residência dela, aos gritos e arrombando uma porta. Depois que conseguiu entrar na casa, começou a agredir a mulher, empurrando ela contra o chão. A vitima recebeu socos e chutes.

No relato feito à polícia, a mulher disse que o ex só parou de agredi-la depois que cortou o braço e começou a sair muito sangue. Quando a PM chegou no local a vítima estava caída e ensanguentada e recebeu primeiros socorros feitos pelos policiais.

O agressor foi localizado momentos depois no hospital de Laguna. Ele buscou atendimento pelo corte profundo que sofreu no braço.

A polícia foi à casa hospitalar e deu voz de prisão ao homem, que, relatou a guarnição policial, corre risco de perder os movimentos da mão por causa do corte sofrido.

A PM conduziu a vítima para a delegacia, onde prestou depoimento.