Divulgação

A implantação de quatro novas praças de pedágios na BR-101 entre Laguna e São João do Sul será debatida em audiências públicas promovidas pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), em novembro. A casa anunciou a intenção na segunda-feira, 14, após aprovar pedido do deputado do MDB, Volnei Weber.

O leilão do trecho da rodovia em debate deve acontecer até o próximo ano e o planejamento da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), órgão que regula a malha rodoviária brasileira, é que sejam instaladas praças de cobrança em Laguna, próximo do limite com Imbituba (km 298), Tubarão, divisa com Treze de Maio e Jaguaruna (km 346), Araranguá, divisa de Maracajá (km 408) e São João do Sul, divisa com Passo de Torres (km 460).

“Não posso deixar que a região Sul seja prejudicada com a instalação de mais pedágios. Não sou contra parcerias público-privadas, pois sei a importância delas para o desenvolvimento da região Sul, mas não posso concordar com instalações excessivas de praças de pedágio e com valores absurdos, especialmente entre trechos de curta distância”, justifica Weber. Para o emedebista, que se elegeu pela região da Amurel, a proposta da ANTT é “completamente descabida” e que é possível reduzir o custo da operação privada da BR-101 com tecnologia.

Também da mesma região, o deputado estadual Felipe Estevão (PSL), em vídeo nas redes sociais se posicionou, dizendo que é contra a implantação dos pedágios com menos de 300 quilômetros de distância. “O que querem fazer é um absurdo tão grande […] Não se respeitam os critérios do Norte [do estado] por exemplo, com praças distantes. Estão querendo enfiar a faca e mais uma vez o povo do Sul – que já sofreu com o atraso da duplicação – vai pagar o pato”, protesta.

As projeções indicam que as cobranças devem ser de R$ 4,42, sendo R$ 1,72 mais caros que o cobrado na praça de Palhoça, cujo preço é R$ 2,70. Em setembro, ao Portal Agora Laguna, o presidente da Alesc, Júlio Garcia (PSD), que integra o grupo de parlamentares da Bancada do Sul, seguiu os pensamentos dos demais deputados e se manifestou contrário aos preços que serão praticados.

“Os pedágios são uma necessidade já que o governo estadual e nem federal têm condições de manter as rodovias, agora o pedágio não pode ser uma extorsão. Tem que ser um preço que possa ser pago. Ninguém se furta a pagar, desde que seja condizente”, afirmou Garcia na época. A audiência pública organizada pela Alesc acontece em 8 de novembro, às 9h, na Arena Multiuso Estener Soratto da Silva, em Tubarão, e é destinada à população da região Sul catarinense.

Reações

Em Laguna, uma manifestação foi convocada para o próximo sábado, 19, na cabeceira da Ponte Anita Garibaldi, em frente a um posto de combustíveis, em Cabeçuda. O movimento é organizado por grupos políticos de direita, que também estão planejando paralisação semelhante para Tubarão, no dia 27 de outubro.

Na cidade de Capivari de Baixo, os vereadores Thiago Viana (presidente do Legislativo) e Herivelton Silva, ambos do Progressistas, anunciaram que a partir de quinta-feira, 17, a Câmara Municipal estará com abaixo-assinado para ser apoiado pelos cidadãos que forem contrários aos pedágios. Para assinar, basta preencher o documento com o número do CPF.