Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Após quase 45 anos sob administração federal e quase duas décadas atrelado à Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), o Terminal Pesqueiro Público de Laguna (TPPL) passou nesta quinta-feira, 19, a ter gestão estadual com a assinatura de convênio pelo governo catarinense. A gerência da estrutura será feita pela autarquia SC Par, que administra os portos de São Francisco do Sul e Imbituba, e projeta geração de empregos, além de investimentos no local.

Em entrevista após a cerimônia, o presidente da SC Par, Gustavo Salvador Pereira, foi cauteloso e disse que a previsão de investimentos a serem feitos dependem de estudos técnicos que serão realizados pela autarquia no porto. “Dependendo da demanda e da necessidade, não só a SC Par, mas o governo do Estado vai estar encampando e ser patrocinador [da injeção de recursos]”, comenta.

Para Pereira, o terminal de Laguna tem uma grande área que pode ser explorada não só pela indústria pesqueira, como também pela naval, e que isso será uma das missões a frente da estrutura. A autarquia estadual, mantém segundo seu presidente, a visão de que a cidade poderá ser sede de um dos maiores terminais pesqueiros do país, como já havia dito em maio deste ano. “Poderá Laguna ter um alcance ao nível da sua necessidade seja social, econômica e financeira”, comemorou o prefeito Mauro Candemil (MDB), em discurso no ato.

Reveja: como foi a cerimônia de transferência de gestão

O governador Carlos Moisés (PSL) acrescentou que o Estado, além de fazer investimentos estruturais como o aumento do calado da entrada do porto, tem a intenção de trazer “novos arrendamentos, novos operadores portuários, tanto da área da pesca quanto da de estaleiros, manutenção de embarcações e todo o sistema que envolve um porto pesqueiro”. Na visão do chefe do Executivo catarinense, isso deve gerar emprego e renda para a cidade juliana.

Sobre as vagas de emprego, o governo do Estado fala em pelo menos 200 postos iniciais, número distante do divulgado pelo deputado estadual Felipe Estevão (PSL) que previu a criação de 1,5 mil postos de trabalho no terminal, com base em outras estruturas portuárias. Conforme o parlamentar, as expectativas são promissoras para o porto de Laguna: “Pode ter uma operação de pesca forte […] e a cidade pode desafogar tudo isso [produção entre Itajaí e Rio Grande (RS)] e ser referência a nível estadual e federal”.

A administração do porto será feito por meio de uma filial da SC Par na cidade. A projeção é que se movimente mensalmente 2,5 toneladas de pescado. O próximo passo será um trabalho conjunto com outros setores do governo do Estado, como as secretarias da Fazenda e do Desenvolvimento Econômico Sustentável.

Foto: Elvis Palma/Agora Laguna
Foto: Elvis Palma/Agora Laguna